1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Popularidade de Dilma atinge pior nível em quatro anos, diz Datafolha

Escândalo da Petrobras e baixas expectativas de melhora na economia derrubam avaliação positiva do governo de 42% em dezembro para apenas 23% agora. Presidente também ganha primeira "nota vermelha": 4,8.

A popularidade da presidente Dilma Rousseff (PT) despencou nos últimos dois meses: de 42% que consideravam seu governo bom/ótimo em dezembro do ano passado, apenas 23% agora têm essa avaliação em fevereiro, segundo revelou pesquisa do Datafolha divulgada neste sábado (07/02).

Já entre os brasileiros que consideram o governo ruim ou péssimo, o salto foi de 24% para 44%. O índice dos que avaliam a gestão Dilma regular ficou estável em 33%.

Em junho de 2013, no auge dos protestos que sacudiram o país, a popularidade de Dilma chegou a 30% – ainda assim, sete pontos percentuais acima do índice registrado agora. De acordo com o Datafolha, esta passou a ser a pior a avaliação de um presidente desde dezembro de 1999, quando Fernando Henrique Cardoso atingiu 46% de rejeição.

Dilma obteve ainda a primeira "nota vermelha", abaixo de uma média 5, desde o início de sua gestão, em janeiro de 2011. Entrevistados ouvidos pelo Datafolha deram nota 4,8 para o governo apenas quatro meses após sua vitória nas urnas para um novo mandato de quatro anos.

Os índices refletem o aprofundamento do escândalo de corrupção envolvendo a Petrobras e uma piora nas expectativas sobre a economia do país, conforme avaliou o instituto de pesquisa. Dificuldades de abastecimento de água e energia elétrica também influenciaram na má avaliação do governo.

Além de Dilma, o prefeito da cidade de São Paulo, Fernando Haddad (PT), e o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), também tiveram suas popularidades duramente atingidas, principalmente devido à crise da água no estado. No caso de Alckmin, de outubro a fevereiro a avaliação bom/ótimo de seu governo caiu de 48% para 38%. Já sobre a gestão Haddad, a queda foi de 22% para 20% de setembro para cá.

O Datafolha ouviu 4 mil pessoas em 188 municípios brasileiros entre os dias 3 e 5 de fevereiro. A margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

MSB/rtr/abr

Leia mais