População da Alemanha cresce graças a imigrantes | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 13.01.2012
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

População da Alemanha cresce graças a imigrantes

Pela primeira vez desde 2002, o crescimento populacional devido à imigração na Alemanha compensou o déficit de nascimentos. A principal causa foi a abertura das fronteiras para trabalhadores do Leste Europeu.

default

Alemanha tem mais de 81 milhões de habitantes

Após oito anos em queda, o número de habitantes na Alemanha registrou ligeira alta em 2011 – principalmente devido ao aumento no número de imigrantes do Leste Europeu. Mais de 81 milhões de pessoas viviam na Alemanha no final do ano passado, 50 mil a mais do que em 2010. A estimativa, divulgada nesta sexta-feira (13/01), é do Departamento Federal de Estatísticas.

Ao todo, em 2011 o número de pessoas que se mudou para a Alemanha superou em 240 mil o dos que deixaram o país – maior saldo em dez anos. Em 2010, por exemplo, este número havia sido de 128 mil.

Arbeitnehmerfreizügigkeit Chancen und Ängste

Em 2011, permissão de trabalho na UE se estendeu a oito países

"Isso, entretanto, não significa uma tendência, é apenas uma contagem instantânea", diz o Reinhold Zahn, do Departamento Federal de Estatísticas. "Em médio e longo prazo, a população está diminuindo." Dados exatos sobre 2011 no entanto ainda não existem.

A principal causa para o ligeiro, mas surpreendente, crescimento populacional são os imigrantes vindos de países novos na União Europeia (UE), especialmente da vizinha Polônia, que entrou no bloco em 2004, e da Romênia, na UE desde 2007.

Desde maio do ano passado, quando foi implementada a livre circulação de trabalhadores para oito países que haviam aderido à UE em 2004, estão se mudando para a Alemanha, em média, 28 mil pessoas por mês.

Também por causa da crise da dívida aumentou, acima da média, o número de gregos, espanhóis, portugueses e italianos que buscam a sorte na Alemanha.

Os pesquisadores não constataram mudança significativa na relação entre nascimentos e óbitos em 2011. O número de recém-nascidos ficou entre 660 e 680 mil, enquanto o de óbitos variou de 835 a 850 mil.

FF/dpa/epd
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais