1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

População carcerária feminina cresce mais de 500% em 15 anos

Estudo aponta que Brasil possui a quinta maior quantidade de mulheres presas do mundo. Cerca de 68% delas estão encarceradas por tráfico de drogas, metade tem entre 18 e 29 anos, e a maioria é negra.

A população carcerária feminina no Brasil aumentou 567,4% nos últimos 15 anos, passando de 5.601 presas, em 2000, para 37.380, em 2014, revelou um estudo divulgado nesta quinta-feira (05/11) pelo Ministério da Justiça.

Essa taxa de crescimento é quase cinco vezes maior do que o aumento médio no número de presos geral no país, que ficou em 119% para o mesmo período. O Brasil possuiu a quinta maior população carcerária feminina do mundo, ficando atrás somente dos Estados Unidos (205 mil), China (103 mil), Rússia (5 mil) e Tailândia (44 mil).

O primeiro relatório que traça um perfil da população penitenciária feminina brasileira revelou ainda que metade das mulheres encarceradas tem entre 18 e 29 anos. A maioria das presas (68%) é negra, e três em cada dez mulheres estão detidas sem condenação.

O estado São Paulo possui a maior população absoluta de mulheres encarceradas, concentrado 39% das presas no país em 2014. O estado é seguido pelo Rio de Janeiro, com 11% do total, e Minas Gerais, 8,2%.

O tráfico de drogas é principal delito cometido por mulheres no Brasil. Esse crime é responsável por 68% das detenções femininas, seguido de furto, 9%, e roubo, 8%.

O relatório mostrou também que em 2014 havia cerca de 2,7 mil estrangeiros presos no Brasil, sendo 21% deles mulheres. Mais da metade delas é do continente americano, sendo Bolívia e Paraguai, os dois principais países de origem de estrangeiras detidas em território brasileiro.

O principal problema do sistema carcerário brasileiro continua sendo os estabelecimentos prisionais. Atualmente, há mais 607 mil presos no país, no entanto, a capacidade do sistema é para 376 mil pessoas.

Das 1,4 mil unidades prisionais, apenas 103 são exclusivamente femininas e 239 são mistas. "O que se vê, em muitos casos, são estabelecimentos masculinos adaptados precariamente para receber mulheres, não oferecendo condições básicas para ela e para os filhos pequenos, que ficam com as mães até determinada idade", explica a diretora de Políticas Penitenciárias do Departamento Penitenciário Nacional, Valdirene Daufemback.

CN/efe/ots

Leia mais