Poluição do ar na Alemanha é a pior dos últimos anos | Novidades da ciência para melhorar a qualidade de vida | DW | 08.02.2012
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Ciência e Saúde

Poluição do ar na Alemanha é a pior dos últimos anos

Na Alemanha, poluição atmosférica foi maior em 2011 que em anos anteriores. Controle de tráfego de veículos em áreas consideradas ambientais parece não ter surtido efeito. Autoridades acusam clima e indústria.

Autoridades alemãs afirmam que os níveis de poluição do ar registrados em 2011 foram maiores que em anos anteriores, apesar de o país ter aderido às "zonas ambientais" em 2008 – uma espécie de controle do tráfego de carros em áreas da cidade consideradas de proteção ambiental.

O Departamento Federal do Meio Ambiente da Alemanha (UBA, na sigla em alemão) constatou que algumas formas de poluição no país foram piores em 2011 do que em 2007, quando as "zonas ambientais" ainda nem se quer haviam sido introduzidas.

Estas zonas exigem que os automóveis tenham consigo um selo verde, amarelo ou vermelho que identifica o nível de emissão de gases de escapamento. Nestas chamadas "zonas ambientais", automóveis mais poluentes, normalmente carros mais velhos, estão proibidos de circular.

Na Alemanha existem, atualmente, 54 áreas desse tipo distribuídas por todo o país. Apesar do resultado do relatório da UBA, o especialista envolvido na pesquisa Hans-Joachim Hummel defende a eficácia das zonas ambientais. "Temos mais chances de reduzir a poluição no ar com estas zonas do que sem elas", disse à agência de notícias alemã DPA.

Conclusões do relatório

Alemanha tem 54 zonas ambientais

Alemanha tem 54 zonas ambientais

De acordo com o relatório, 57% das regiões analisadas apresentam excessivos níveis de dióxido de nitrogênio e em 42% foram registrados altos níveis de partículas poluentes.

Com "níveis excessivos", o relatório quer dizer que por mais de 35 dias ao ano, existem no ar mais de 50 microgramas de partículas em suspensão por metro cúbico ou mais de 40 microgramas de dióxido de nitrogênio.

Para o presidente do UBA, Jochen Flasbarth, as "zonas ambientais" são apenas parte das ações para reduzir a poluição do ar. A indústria também é responsável por grande parte das partículas finas e dióxido de nitrogênio, disse ele.

O papel do clima

Segundo Michal Krzyzanowski, especialista da Organização Mundial de Saúde sobre poluição atmosférica, os resultados decepcionantes de 2011 também podem ser atribuídos ao clima estável registrado na Alemanha no ano passado. Ele explica que sistemas de alta pressão podem ajudar a concentrar níveis de poluição, mesmo quando as emissões de poluentes se mantêm constantes.

Bicicleta. O meio ambiente agradece

Bicicleta: meio ambiente agradece

A Europa já não alcança reduções significativas da poluição do ar desde 2000, enfatiza o especialista. "O fato de os níveis de poluição terem aumentado mostra que as atuais medidas ambientais na Europa não são suficientes", acrescenta Krzyzanowski.

Mãos à obra

Jens Hilgenberg, especialista em tráfego da organização ambientalista alemã BUND, defende que as "zonas ambientais" ajudaram na redução de um dos piores poluentes atmosféricos: as partículas de exaustão do diesel.

"Essas partículas menores são particularmente perigosas", disse Hilgenberg. "Elas se alojam profundamente nos pulmões, e são um problema para o meio ambiente porque são facilmente transportadas pelo vento para as regiões polares."

Hilgenberg acredita que a melhor maneira de se combater a poluição do ar é o investimento em formas alternativas de transporte como ciclovias, por exemplo, e na melhoria do transporte público.

Para Krzyzanowski, a responsabilidade para com a atmosfera é dos cidadãos. "As pessoas precisam perceber que não se trata apenas um grande tubo no céu causando poluição. Todo mundo exerce um papel importante quando se trata da atmosfera."

Autor: André Leslie (br)
Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais