1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Ciência e Saúde

Poluição atmosférica mata 3,3 milhões de pessoas por ano no mundo

Sem redução de emissões, número de mortes prematuras pode dobrar até 2050, diz estudo. Poluentes causam doenças cardíacas, AVC, câncer de pulmão e infecções respiratórias agudas.

A poluição atmosférica é responsável pela morte prematura de 3,3 milhões de pessoas no mundo, afirmou um estudo publicado nesta quarta-feira (16/09) na revista Nature. Sem a redução de emissões poluentes, esse número poderá chegar a 6,6 milhões até 2050, alertaram os cientistas.

Doenças cardíacas, acidente vascular cerebral (AVC), doença pulmonar obstrutiva crônica, além de câncer de pulmão e infecções respiratórias agudas são as principais formas de mortes prematuras causadas pela poluição atmosférica.

O estudo revelou ainda que a poluição atmosférica mata mais do que a malária e o vírus da Aids juntos. "Esse número é espantoso. Em alguns países a poluição do ar é uma das principais causas de morte, em outros é um problema grave", afirmou Jos Lelieveld, do Instituto Max Planck para Química na Alemanha, que coordenou a pesquisa.

A maioria das mortes ocorre na Ásia, onde emissões de energia residenciais, como as produzidas no aquecimento ou para cozinhar, têm um grande impacto. A maior taxa de mortalidade causada pela poluição atmosférica foi registrada na China, com 1,4 milhão de casos, seguida pela Índia, com 645 mil mortes, e Paquistão, com 110 mil.

Os poluentes afetam de forma diferente cada região. Nos países industrializados, a agricultura é responsável por uma boa parte dessa poluição. A pesquisa mostrou que as atividades agrícolas são a principal fonte de emissões de partículas finas no leste dos Estados Unidos e na Europa, sendo responsáveis por cerca 20% das mortes prematuras.

A principal fonte de poluição do ar na agricultura é amônia de fertilizantes e resíduos animais, disse Lelieveld. Esse composto químico, combinado com sulfatos de usinas geração de energia movidas a carvão e nitratos produzidos por automóveis, forma partículas de fuligem que são extremamente prejudicais a saúde.

A equipe de Lelieveld combinou um modelo químico atmosférico global com dados populacionais e estatísticas de saúde para estimar a contribuição relativa de diferentes tipos de poluição do ar, principalmente das chamadas partículas finas, às mortes prematuras.

CN/rtr/lusa/afp/ap

Leia mais