1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Poloneses aprovam ingresso na UE

Com um claro voto popular, a Polônia decidiu-se a favor da filiação à União Européia. No plebiscito do fim-de-semana, três quartos dos eleitores poloneses disseram "sim" à UE.

default

Poloneses festejam a aprovação popular da filiação à UE

O receio anterior, de que o plebiscito de dois dias pudesse fracassar por abstinência dos poloneses, revelou-se no final como infundado: 58,5% dos 30 milhões de eleitores compareceram às urnas. Para a validade do plebiscito, pelo menos a metade do eleitorado teria de dar o seu voto. Na manhã desta segunda-feira (9/6), a comissão eleitoral comunicou um primeiro resultado oficial, após a apuração de cerca de 95% dos votos: 76,8% a favor da filiação à União Européia e apenas 23,1% contrários a ela.

O resultado foi saudado com grande euforia pelo presidente polonês Aleksander Kwasniewski, já na noite do domingo, quando as pesquisas indicavam participação suficiente e grande maioria favorável à UE. "Nós retornamos para a Europa", afirmou Kwasniewski diante da multidão entusiasmada, que se reunira frente ao palácio presidencial em Varsóvia.

Na capital polonesa, uma festa popular espontânea durou até altas horas da noite. Os cidadãos de Varsóvia saíram às ruas portando as bandeiras da Polônia e da União Européia. Em todo o país houve comemoração com bandas de música e fogos de artifício.

Saudação efusiva

Em Berlim, o chanceler federal alemão Gerhard Schröder saudou efusivamente a decisão do eleitorado polonês. "Nunca houve dúvida de que a Polônia faz parte da Europa", afirmou Schröder. O chefe de governo alemão mostrou-se convencido de que "as excelentes relações bilaterais teuto-polonesas desenvolverão uma dinâmica ainda maior, com o ingresso da Polônia na União Européia".

Também o ministro alemão das Relações Exteriores, Joschka Fischer, manifestou sua satisfação com o resultado do plebiscito. A filiação da Polônia e de outros países da Europa central e oriental à União Européia, a partir de 1º de maio de 2004, será "um passo numa nova época da integração européia", afirmou Fischer. Com isto, a divisão do continente, que durou inúmeras décadas, fica definitivamente superada, acrescentou o ministro.

Para Matthias Platzeck, governador do Estado alemão de Brandemburgo, fronteiriço com a Polônia, o voto positivo dos eleitores poloneses resultará num incentivo para o desenvolvimento da região, nos dois lados da fronteira. Platzeck prometeu que Brandemburgo prestará toda a ajuda possível para facilitar a integração da Polônia na União Européia.

Leia mais