1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Policial branco é acusado de matar a tiros homem negro nos EUA

No mais recente episódio de violência policial contra minorias nos Estados Unidos, policial branco da Carolina do Sul é indiciado por atirar oito vezes nas costas de um homem negro que fugia de uma inspeção de trânsito.

Um policial do estado da Carolina do Sul, nos Estados Unidos, foi preso nesta terça-feira (08/04), acusado de assassinato. Em um vídeo amador divulgado pelo jornal The New York Times, o policial é visto disparando oito vezes contra as costas de um motorista negro de 50 anos. O incidente ocorreu no sábado, após a polícia parar um carro com defeito na luz de freio.

O policial Michael Thomas Slager, um homem branco de 33 anos, alegou que a vítima, Walter Lamer Scott, havia tomado sua arma de choque e que sua vida estaria em risco. No entanto, o vídeo mostra que ele atirou oito vezes nas costas de Scott enquanto ele tentava fugir. Logo depois, as imagens mostram o policial aparentemente jogando um objeto no chão, próximo a Scott.

O prefeito da cidade de North Charleston, Keith Summey, anunciou as acusações contra Slager afirmando que o policial tomou uma "má decisão". "Quando se está errado, se está errado", declarou o prefeito. "Quando se toma uma má decisão, não importa se você está protegido por um distintivo policial ou se é um cidadão nas ruas, você precisa conviver com essa decisão."

A morte de Scott é o mais recente episódio de uma série de eventos que abalaram ainda mais a frágil confiança das minorias americanas nas forças policiais. Eventos semelhantes ocorreram nos estados do Missouri e de Nova York, onde policiais brancos mataram, respectivamente,

Michael Brown, em Ferguson

, e

Eric Gardner, em Staten Island

, ambos negros. As mortes elevaram as tensões raciais e causaram protestos em diversas partes do país.

Slager, que trabalhava como policial há cinco anos, foi preso sem direito a fiança. Se condenado, ele poderá receber uma pena de até 30 anos de prisão.

RC/AP/dpa

Leia mais