1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Polônia é lanterna da UE no ranking da liberdade de imprensa

Dos 27 membros da União Européia, a Polônia foi considerada pela ONG Repórteres Sem Fronteiras o país do bloco onde a imprensa sofre mais restrições. Alemanha, em 20º lugar, melhorou três posições.

default

China, sede dos próximos Jogos Olímpicos, está em 163º lugar

Ficam na Europa os 14 primeiros países do ranking anual sobre a liberdade de imprensa, divulgado nesta terça-feira (16/10) pela ONG Repórteres Sem Fronteiras (RSF). Os primeiros da lista são a Islândia e a Noruega, seguidas por Estônia e Eslováquia. Dos 27 membros da União Européia (UE), a Polônia, em 56º lugar, foi considerada pela organização o país do bloco onde a imprensa sofre mais restrições.

A Alemanha, que na lista de 2006 havia ficado em 23º lugar, subiu três posições. Foram considerados negativos para o trabalho da imprensa no país os processos sobre cumplicidade na revelação de segredos, problemas legais na proteção das fontes, ameaças e ataques contra jornalistas que investigam ações da direita, assim como a influência de anúncios sobre as redações.

Situação mudou pouco

O ranking foi elaborado a partir de uma lista com 50 perguntas feitas a 500 jornalistas, organizações parceiras, pesquisadores, juristas e defensores dos direitos humanos a respeito da situação nos 169 países analisados. Foi levado em consideração o período de setembro de 2006 a agosto de 2007.

Em geral, a situação no mundo mudou muito pouco, informaram os responsáveis pelo ranking. O norte da Europa continua servindo de modelo em termos de liberdade de imprensa, enquanto Turcomenistão, Coréia do Norte e Eritréia permanecem nas últimas posições da lista. Vários países pioraram de posição por impedirem o livre fluxo de informações na internet ou por perseguirem quem escreve críticas.

O Brasil passou da 75ª posição, ocupada em 2006, à 84ª. Os Estados Unidos foram avaliados em duas categorias: no tocante à situação interna, passaram do 53º para o 48º lugar: Em relação aos acontecimentos no Iraque, passaram da 119ª posição para a 111ª.

A um ano dos Jogos Olímpicos, a Repórteres Sem Fronteiras lamenta a 163ª posição da China e questiona se, até a abertura da Olimpíada, Pequim implementará as reformas prometidas e libertará os jornalistas que mantém presos. (rw)

Leia mais