1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Políticos tentam impedir Handke de receber o Prêmio Heine

Em Düsseldorf, políticos querem impedir que o Prêmio Heinrich Heine de literatura seja entregue ao escritor austríaco Peter Handke, acusado de apoiar o antigo líder sérvio Slobodan Milosevic.

default

Escritor foi nomeado vencedor do Prêmio Heinrich Heine por um júri

Membros do conselho da cidade de Düsseldorf, formado por representantes dos quatro maiores partidos (CDU, SPD, Partido Liberal e Partido Verde), afirmaram que votarão contra a entrega do Prêmio Heinrich Heine, um dos mais importantes da literatura na Alemanha, ao escritor austríaco Peter Handke.

O motivo não está relacionado com a obra literária de Handke, mas com as acusações de apoio ao antigo líder sérvio Slobodan Milosevic. Handke visitou o ex-presidente da Iugoslávia na prisão, em Haia, e discursou no seu enterro.

O autor foi nomeado vencedor por um júri na semana passada, mas a entrega da gratificação, no valor de 50 mil euros, precisa ser aprovada pelo conselho municipal. A votação foi agendada para o dia 22 de junho.

Repercussão nos jornais

Os jornais alemães se mostraram divididos quanto à decisão do conselho municipal de não conceder o prêmio a Handke.

"Está claro que a ação é um afronta ao júri. Mas os danos a Düsseldorf serão ainda maiores se decidirem por honrar Handke em nome de Heine", publicou o Frankfurter Rundschau.

O jornal berlinense Die Tageszeitung vê a situação de uma forma diferente: "Heine não merece Handke e Handke não merece o Prêmio Heine. Mas não há dúvidas de que Heine teria rejeitado o controle político de um júri. Essa forma de censura é muito pior do que contemplar a pessoa errada com o prêmio."

Handke: ler para julgar

Peter Handke

Austríaco é acusado de simpatizar com Milosevic

A nomeação de Peter Handke veio justamente um mês depois de a mais famosa companhia de teatro francesa ter decidido não levar uma de suas peças ao palco, em virtude de um elogio que o autor proferiu a Milosevic, antigo presidente iugoslavo, acusado de crimes de guerra, contra a humanidade e genocídio. O autor descreveu o líder sérvio, encontrado morto em sua cela em março deste ano, como "um homem que defendia seu povo".

Handke recusou-se a comentar a controvérsia em torno de sua premiação, mas respondeu às críticas em uma declaração aberta no Frankfurter Allgemeine Zeitung nesta terça-feira (30/05): "Em nenhum dos meus trabalhos, eu classifiquei Slobodan Milosevic como 'uma' ou 'a' vítima". O autor aconselhou que as pessoas lessem cuidadosamente suas publicações dos últimos 15 anos para que pudessem fazer um julgamento.

Controvérsias

O antigo reitor da Universidade Heinrich Heine Gerd Kaiser, que participou durante 20 anos da renomada premiação como membro do júri, quer formar uma iniciativa contra a nomeação de Peter Handke em conjunto com antigos ganhadores do prêmio. O argumento a ser apresentado é o de que a premiação zela pelos direitos humanos e de que a gratificação de Handke não estaria de acordo com esse princípio.

Kaiser entende que a situação é delicada: "A cidade pode ser acusada de censura, caso a nomeação não seja respeitada e isso diz respeito também ao crédito de suas autoridades. Mas o que precisa ser levado em consideração é que a premiação de Handke também põe em risco a reputação de Düsseldorf."

Leia mais