1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Políticos discutem destino da Europa em Davos

Crise migratória, terrorismo, crescimento fraco: no Fórum Econômico Mundial, líderes europeus pintam quadro sombrio sobre futuro da Europa e apontam necessidade de investimentos nas regiões de origem dos refugiados.

default

Autoridades europeias discutem futuro do continente no Fórum Econômico de Davos

No Fórum Econômico Mundial, realizado nesta semana na cidade suíça de Davos, o primeiro-ministro francês, Manuel Valls, delineou um quadro desolador: "O projeto europeu pode estar morto em breve. Não em algumas décadas ou anos, mas em breve."

Segundo Valls, o importante é que a Europa encontre um caminho conjunto e que consiga controlar as questões de segurança decorrentes do terrorismo. Da mesma forma, o problema dos refugiados só pode ser superado de forma conjunta, disse o premiê francês, elucidando que o anúncio unilateral por parte da Áustria de controlar suas fronteiras mostra claramente, mais uma vez, como os europeus estão divididos no momento.

Nesse contexto, o chefe de governo holandês, Mark Rutte, ressaltou que há uma corrida contra o tempo. "Temos somente de seis a oito semanas para controlar a imigração", disse. Rutte lembrou que, em janeiro do ano passado, 1,6 mil refugiados chegaram à Europa, mas que, nas primeiras três semanas deste ano, esse número já chegou a 35 mil.

"Quando chegar a primavera, o número de refugiados vai aumentar drasticamente – e não vamos mais conseguir controlar o problema", completou.

O ministro alemão das Finanças, Wolfgang Schäuble, propôs investimentos bilionários em regiões de origem dos refugiados. Segundo ele, isso pode contribuir "para reduzir a pressão sobre as fronteiras externas da União Europeia de tal forma que o continente não se torne uma fortaleza".

"Vai custar muito mais do que o previsto até agora", declarou Schäuble. "Até o momento, havíamos pensado que os problemas no Oriente Médio e África não seriam realmente nossos problemas. Agora constatamos: é nosso problema. Um problema europeu."

Schäuble afirmou, no entanto, que isso não seria nenhuma oportunidade para se afastar da política de austeridade econômica e reformas que ele defende há anos. "Minha preocupação é que todos nós aqui na Europa subestimemos os desafios devido ao ritmo do desenvolvimento global."

Também Rutte pediu novas reformas para manter a competitividade. Ele alega que dois terços da economia europeia ainda não foram liberalizados e que haveria ainda muitas restrições na economia digital, no setor energético, nos serviços, nas profissões regulamentadas e no mercado de capitais.

Se essas barreiras fossem abolidas e um verdadeiro mercado único europeu fosse criado, o desempenho econômico da Europa aumentaria em 1,25 trilhão de euros, disse Rutte – isso corresponde a quase o dobro do Produto Interno Bruto da Holanda.

Essa foi uma oportunidade para que, em Davos, o primeiro-ministro britânico, David Cameron, enfatizasse mais uma vez a necessidade de reformas. "Em relação à tecnologia e produtividade, estamos atrás dos Estados Unidos. Deveríamos aumentar a competitividade de nossas empresas e economias, em vez de diminuí-la."

Cameron disse esperar que se chegue a um consenso sobre reformas até a próxima cúpula da UE em fevereiro. "Se um bom acordo for apresentado, vou aceitá-lo", declarou o chefe de governo, que afirmou ainda que vai lutar com todas as forças para que o Reino Unido permaneça na União Europeia.

Leia mais