Política populacional deixa de ser tabu na Alemanha | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 27.12.2005
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Política populacional deixa de ser tabu na Alemanha

Ao contrário de outros países europeus, a população da Alemanha encolhe. E aos poucos o tema pode ser discutido objetivamente, sem receio de associações com a obsessão racial assassina dos nazistas.

default

Melhor acompanhamento infantil influencia taxa de natalidade

Às vezes os alemães olham com inveja para a vizinha França. Pois lá, não se conhece o problema da falta de descendência. O jornal Le Figaro noticiou recentemente, com orgulho: "Somos 62 milhões de franceses".

Fato é que a população da terra de Jacques Chirac cresce desde o fim da década de 90, enquanto a alemã míngua sensivelmente. No momento, a França apresenta o maior índice de natalidade do continente, embora a Alemanha conte 83 milhões de habitantes.

Mas a política populacional dos distintos governos nacionais é apenas um, entre os diversos motivos para esta discrepância no desenvolvimento demográfico.

Tema marcado pelo nacional-socialismo

Após a Segunda Guerra Mundial e a queda do regime nazista, na Alemanha tornou-se condenável pensar numa política populacional ativa. Enquanto isso, na França, o presidente Charles de Gaulle pedia a seu povo 12 milhões de bebês, sem que ninguém o criticasse.

Reiner Klingholz, do Instituto de Berlim de População Mundial e Desenvolvimento Global, explica: "Na Alemanha o debate demográfico orientou-se muito pelo passado. E nosso passado nacional-socialista marcou fortemente o tema com conceitos como estudo das raças, ideologia racial. Por isto, esse grande cuidado em lidar com ele, após a Segunda Guerra".

A questão da pureza racial

Tal pudor se faz notar em todos os países europeus que passaram por regimes fascistas, para os quais a política populacional era meio para alcançar um fim: a proliferação da própria nação, visando dominar as outras.

O seguinte trecho de um discurso do ministro do Interior do Terceiro Reich, Wilhelm Frick, por ocasião do Dia das Mães de 1935, ilustra de forma plástica o potencial assassino da obsessão racial:

"Todos sabem quão inquietante foi o declínio das taxas de nascimento do povo alemão na virada do século, e conhecem as conseqüências do triste fato da seleção equivocada e da miscigenação racial. Pois, em todas as camadas sociais, as famílias trabalhadoras passaram a ter cada vez menos filhos, enquanto outras, menos valorosas e degeneradas, se reproduziam irrefreadamente; ou porque alemães irresponsáveis se uniam a gente de outras raças."

"Campo de batalha da mulher"

Os nazistas punham a política populacional a serviço de suas metas. A partir de 1938, as mães de três filhos ou mais recebiam a Cruz da Mãe Alemã. Adolf Hitler definia a maternidade como "campo de batalha da mulher", ou seja: as alemãs tinham como missão pôr no mundo soldados alemães.

As vantagens econômicas oferecidas e a supervalorização ideológica do papel maternal tinham como fim despertar o desejo de gerar tantos filhos quanto possível. Essa obsessão dos nazistas por uma população de raça pura foi o que mais tarde tornou tabu o tema política familiar.

Segundo Klingholz: "Os políticos alemães do pós-guerra foram unânimes em distanciar-se desse tema. [o chanceler federal] Konrad Adenauer alegava: 'As pessoas têm filhos, de qualquer forma'; segundo Helmut Schmidt, a política não tem que se ocupar com o que os cidadãos fazem na cama. E Helmut Kohl, de início também o governo Schröder, não queriam se imiscuir em questões de política familiar."

Separando família e ideologia

Kindergartenkinder

Criança não precisa ser questão ideológica

Devido à pesada aura do nazismo, todos evitavam se ocupar de polítca populacional na Alemanha, até bem recentemente. Mas nos últimos dois anos já se questiona, por exemplo, se a maior disposição maternal das francesas não se deveria às melhores ofertas de acompanhamento infantil no país vizinho.

Interessante notar que o debate foi desencadeado pela crise do sistema social. "Embora a atual crise nada tenha a ver com fatores demográficos", comenta Reiner Klingholz: "Isso só ocorrerá em 2015, quando se aposentam os últimos nascidos em anos demograficamente fortes".

Para o perito em assuntos demográficos, só muito recentemente, praticamente nas últimas semanas e meses, o tema se libertou da casca de ideologia: "Hoje em dia, política familiar é discutida quase sem qualquer toque ideológico. Súbito, todos reconhecem as relevância do acompanhamento infantil em horário integral, nos jardins da infância e escolas, e a discussão torna-se possível".

Alta temperatura emocional

Essa nova abertura para tratar do tema desenvolvimento demográfico na Alemanha de forma objetiva é, sem dúvida, positiva.

Em contrapartida existe a tendência de aquecer emocionalmente o assunto, como sói acontecer no tocante a outros temas políticos. Não são poucos os jornalistas que profetizam o fim da sociedade alemã, com frases de efeito como "colapso de natalidade" ou "greve uterina".

Por isso, o historiador Jay Winter, da Universidade de Yale, aconselha os alemães a "baixar a temperatura ideológica desse debate".

Leia mais