Política externa alemã enfrentou sérios desafios nos últimos anos | Todas as informações sobre as eleições na Alemanha em 2017 | DW | 22.08.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Eleição na Alemanha

Política externa alemã enfrentou sérios desafios nos últimos anos

As relações transatlânticas, a missão no Afeganistão, a guerra na Geórgia e o conflito no Oriente Médio: a atual coalizão de governo na Alemanha teve muito o que fazer em termos de política externa.

default

Desafios foram muitos para ministro do Exterior Steinmeier

Quando a chanceler federal alemã, Angela Merkel, assumiu o governo, quatro anos atrás, uma meta se sobrepunha às outras em sua agenda: melhorar as relações com os Estados Unidos. A antipatia entre George W. Bush e Gerhard Schröder, seu antecessor no governo alemão, havia surgido durante a guerra do Iraque e esfriado sensivelmente as relações entre os dois países.

A política da democrata-cristã Merkel desenvolveu assim bons contatos com o republicano George W. Bush, que não poupava elogios à premiê alemã. Ao contrário de Schröder, Merkel pôde se dar ao luxo de criticar o presidente norte-americano, em relação tanto a questões ambientais como a Guantánamo, cujo fechamento ela defendia.

Tais divergências de opinião não foram discutidas em público, mas a portas fechadas. Bush também acabou aceitando que o governo alemão não mandasse soldados para o sul do Afeganistão.

Barack Obama , Angela Merkel in Dresden

Obama e Merkel em junho de 2009

A harmonia entre Washington e Berlim só foi abalada quando o então candidato à presidência dos EUA, Barack Obama, escolheu o Portão de Brandemburgo como local de seu discurso de campanha eleitoral no país, e Berlim recusou sua permissão.

Obama acabou por falar para um público de quase 200 mil pessoas a poucos metros dali, diante da Coluna da Vitória. O apoio da população alemã ao candidato já estava garantido, só faltava o da premiê. A distância entre os dois era clara também para a opinião pública.

Hoje, Merkel e Obama encontraram uma forma profissional de convivência. Berlim apoia a política externa do presidente norte-americano, voltada para o diálogo, bem como seus esforços em prol do desarmamento. Em junho último, Obama visitou a Alemanha, tendo ido a Dresden e ao memorial do campo de concentração Buchenwald, libertado em 1945 por tropas norte-americanas.

Rússia: parceira e obstáculos

Moscou mostrou-se um parceiro difícil para a coalizão de governo alemã. A confiança entre Moscou e Berlim foi abalada várias vezes e os atritos não se reduzem à defesa dos direitos humanos e liberdade de imprensa, aspectos defendidos por Merkel. Por outro lado, o projeto antimíssil dos norte-americanos para o Leste Europeu desperta a desconfiança russa.

Wladimir Putin in China Reaktion auf Kriegsausbruch in Südossetien

Putin: críticas a sistema antimíssil

Os ataques verbais do presidente Wladimir Putin durante a Conferência para Segurança em 2007 em Munique foram sinais dessa indisposição. Para alguns especialistas, as divergências lembravam os tempos de Guerra Fria.

Em meados de 2008, a guerra entre Rússia e Geórgia afetou mais uma vez as relações de Moscou com o Ocidente. A UE anunciava que a Rússia não estava cumprindo o "plano de seis pontos" acertado anteriormente. Merkel protestou quando o governo russo reconheceu oficialmente a independência das repúblicas Abkházia e Ossétia do Sul. As negociações entre a Otan e a Rússia foram provisoriamente suspensas.

O conflito pelo gás entre a Rússia e a Ucrânia desencadeou, no início de 2009, uma nova crise. Pela primeira vez, o governo russo interrompeu o fornecimento de gás para a Europa por um período mais longo. E ainda reclamou quando Berlim acusou os dois lados de serem responsáveis pelo conflito.

A fim de evitar a dependência do gás russo, a Alemanha vem optando cada vez mais pela importação de gás da Ásia Central, que deverá ser transportado até a Europa pelo gasoduto Nabucco.

Embora haja muitas razões para uma distância crítica entre a Alemanha e a Rússia, os governos dos dois países vêm trabalhando de forma objetiva nos últimos tempos, em parte até amistosamente. Um bom exemplo foi o combate à crise financeira, que também atingiu fortemente a Rússia.

Afeganistão: conflito sem fim?

Permanecer e perseverar é o lema da missão das Forças Armadas alemãs no Afeganistão. Os aproximadamente 4 mil soldados alemães no país, que fazem parte das forças de segurança (Isaf) da Otan, não têm perspectiva alguma de deixar a região. Pelo contrário, em função da segurança cada vez mais precária no país, Berlim envia cada vez mais soldados, material e auxílio para a formação de forças afegãs de segurança.

Deutsche Bundeswehr in Afghanistan - Ausbildung von afghanischen Soldaten

Soldados alemães no Afeganistão: população é contra

O fato de o Afeganistão, apesar dos pequenos progressos, ainda não conseguir resolver sozinho seus problemas, coloca questões que o governo alemão evita levar a público. Várias enquetes comprovam que a maioria da população alemã é contra a presença de soldados do país no Afeganistão.

Por estes quatro anos, a coalizão de governo esteve certa, contudo, de que abandonar a missão "no meio do caminho" iria destruir todos os esforços anteriores, principalmente agora que Obama está aumentando a pressão sobre o talibã e seus aliados.

Ainda paira no ar, porém, a frase do ex-ministro da Defesa Peter Struck, de que a Alemanha deveria garantir a segurança na cordilheira de Hindu Kush, o que custaria aos cofres do país verbas consideráveis. Somente em 2008, a missão no Afeganistão custou mais de 530 milhões de euros.

Oriente Médio: paz continua sendo sonho

O Oriente Médio Nenhuma foi a região mais visitada do que pelo atual ministro alemão do Exterior, Frank-Walter Steinmeier. Num total de 14 viagens e em incontáveis encontros, ele se informou regularmente a respeito do confronto entre israelenses, palestinos e países vizinhos.

Uma de suas peculiaridades diplomáticas foi ter insistido, por ocasião de uma visita a Damasco, na participação da Síria nas negociações de paz, apesar da resistência dos EUA. No entanto, as possibilidades de paz para a região acabaram se esvaindo.

A guerra entre Israel e a milícia hisbolá, em meados de 2006, fez com que todas as esperanças desaparecessem. O governo alemão se posicionou claramente do lado de Israel. Merkel culpou o Hamas pela morte de centenas de civis na guerra na Faixa de Gaza e visitou o ex-chefe de governo israelense, Ehud Olmert, em sinal de solidariedade. Isso fez com que Berlim perdesse confiança entre a opinião pública palestina.

Autora: Nina Werkhäuser
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais