Polícia reprime com violência manifestação no Barein | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 17.02.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Polícia reprime com violência manifestação no Barein

Ao menos quatro pessoas morreram durante uma operação policial no centro de Manama, a capital do pequeno Estado do Golfo Pérsico. Oposição diz que a ação terá consequências. UE pede respeito à liberdade de expressão.

default

Ação policial na praça central de Manama

A polícia reprimiu com violência as manifestações numa praça no centro de Manama, capital do Barein, na madrugada desta quinta-feira (17/02). Ao menos quatro pessoas morreram e centenas ficaram feridas durante a ação repressiva. Com isso, subiu para seis o número de mortos nas manifestações que ocorrem no pequeno estado insular do Golfo Pérsico.

Por volta das três da manhã (horário local), a polícia cercou a Praça da Pérola e disparou contra os manifestantes. Quando as pessoas, em pânico, começaram a correr, os policiais as perseguiram e agrediram com cassetetes. Também gás lacrimogêneo foi usado contra os manifestantes. Ao final, a polícia ocupou a praça.

O líder da oposição xiita no Barein, o xeque Ali Salmane, afirmou que o assalto das forças de segurança contra os manifestantes em Manama terá consequências catastróficas. "Este ataque foi uma decisão errada que terá repercussões catastróficas na estabilidade do Barein", declarou o xeque Salmane, acrescentando que a violência não pode resolver crises.

Horas depois, o Exército anunciou que controla praticamente toda a capital e que as manifestações estão proibidas no país. Num comunicado divulgado pela televisão, o Exército disse que locais estratégicos estão sob controle.

A União Europeia manifestou preocupação com os acontecimentos no Barein. A chefe da diplomacia europeia, Catherine Ashton, lamentou o uso da violência e as mortes e pediu às autoridades locais respeito aos direitos fundamentais, como a liberdade de expressão.

Milhares de pessoas – estimativas variam entre 5 mil e 20 mil – haviam se reunido na praça nesta quarta-feira, após os atos fúnebres de dois manifestantes mortos no dia anterior. Ao longo do dia, o protesto transcorrera de forma pacífica, com a maioria dos manifestantes exigindo apenas reformas no país.

O Barein, o mais pobre entre os ricos países do Golfo Pérsico, é uma monarquia governada pelo rei Hamad Bin Isa Al Khalifa e por sua família. O rei escolhe pessoalmente os governantes e não há partidos políticos. A maioria dos manifestantes é composta por muçulmanos xiitas, que são também a maioria da população. A família real, porém, é sunita.

AS/dpa/lusa/afp
Revisão: Rodrigo Rimon

Leia mais