1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Polícia mata duas extremistas após ataque em Istambul

Imagens mostram as duas mulheres abrindo fogo e atirando granada contra ônibus policial próximo a uma base da corporação. Série de atentados em seu território mantém a Turquia há meses em estado de alerta.

A polícia turca matou duas mulheres extremistas, após um ataque contra um ônibus policial em Istambul, nesta quinta-feira (03/03). Imagens da agência estatal de notícias Dogan mostram uma delas abrindo fogo contra o veículo, enquanto a outra arremessava uma granada. As mulheres atacaram o veículo da polícia de choque que se dirigia em direção à entrada do quartel no distrito de Bayrampasa.

A polícia revidou e atingiu uma das mulheres, que conseguiram se refugiar num edifício próximo, segundo a emissora CNN. Citando fontes policiais, a agência estatal de notícias Anadolu informou que a polícia invadiu um apartamento e conseguiu "neutralizar" as duas agressoras, que não tiveram suas identidades e nem filiações divulgadas.

O prefeito de Istambul, Vasip Sahin, comunicou que dois policiais foram feridos – um por vidro quebrado durante o ataque ao ônibus e outro durante a operação no edifício. Forças especiais foram enviadas à área para garantir a segurança dos moradores. A televisão turca transmitiu imagens de policiais à paisana e coletes a prova de balas fechando o quartel policial.

Türkei Anschlag auf eine Polizeiwache in Istanbul - Bayrampasa

Base policial no distrito de Bayrampasa foi fechada após ataque contra ônibus da corporação

Por ora, o ataque não foi reivindicado por nenhuma organização radical. O Partido/Frente Revolucionária de Libertação do Povo (DHKP-C), considerado uma organização terrorista por EUA, União Europeia e Turquia, cometeu recentemente ataques semelhantes em delegacias em Istambul.

Uma série de atentados em seu território tem colocado a Turquia em estado de alerta há meses. Em fevereiro, 29 pessoas foram mortas numa explosão de um carro-bomba que tinha como alvo um comboio militar em Ancara. O ataque foi

reivindicado pelo grupo Falcões da Liberdade do Curdistão

(TAK), uma dissidência mais radical do proscrito Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK).

Nos últimos anos, houve quatro ataques a bomba atribuídos ao grupo jihadista "Estado Islâmico" (EI), incluindo o mais sangrento da história moderna da Turquia, que

matou 103 pessoas

em Ancara, em outubro.

PV/dpa/ap/rtr/afp

Leia mais