Polícia já previra atentado de Berlim nove meses antes | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 26.03.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Polícia já previra atentado de Berlim nove meses antes

Em aplicativo de chat, terrorista tunisiano anunciava de forma velada a intenção de ato suicida, mas autoridades estaduais ignoraram advertências de órgão de segurança. Secretário do Interior responderá a inquérito.

Nove meses antes do atentado a uma feira de Natal em Berlim, com um caminhão sequestrado, a polícia alemã já previra que Anis Amri planejava um ataque suicida, noticiou o tabloide alemão Bild am Sonntag, neste domingo (26/03).

Na época, o Departamento Estadual de Investigações (LKA) da Renânia do Norte-Vestfália comunicou, em carta confidencial à Secretaria do Interior do estado, a presença de indícios sólidos nesse sentido. Entre outros, o órgão citou o histórico de chat do tunisiano de 24 anos no aplicativo móvel Telegram, onde, através de eufemismos, indicava seus planos de cometer o ato.

Apesar das advertências feitas em março de 2016, a Secretaria estadual do Interior decidiu que a deportação não era legalmente viável. Desde o atentado, o responsável pela pasta, o social-democrata Ralf Jäger, tem reiterado essa posição. Na próxima quarta-feira ele e outros políticos de alto escalão responderão diante de uma comissão parlamentar de inquérito.

Por quatro dias, Anis Amri foi o homem mais procurado da Europa

Por quatro dias, Anis Amri foi o homem mais procurado da Europa

Exigências de renúncia

Diante da reportagem, políticos da oposição exigem que Jäger abandone o cargo. O deputado do Partido Liberal Democrático (FDP) Joachim Stamp disse ao Bild  considerar "esse memorando uma prova cabal de que o secretário do Interior falhou com suas responsabilidades".

"Estas novas revelações são dramáticas", afirmou Armin Laschet, líder estadual da União Democrata Cristã (CDU). "O secretário Jäger é um risco de segurança para os cidadãos de toda a Alemanha."

Em 19 de dezembro de 2016, 12 pessoas foram mortas no atentado perpetrado por Amri. Já com a deportação encaminhada, seu uso de mais de uma dezena de identidades e o atraso de sua documentação permitiram que permanecesse no país por mais 18 meses na Alemanha. Depois de escapar do país, o terrorista foi morto por policiais italianos nos arredores de Milão, quatro dias depois do crime.

AV/afp,dpa

Leia mais