1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Polícia francesa revela detalhes macabros sobre atentado em fábrica química

Principal suspeito teria tirado foto com patrão decapitado e a enviado por WhatsApp a um número estrangeiro. Autoridades internacionais investigam possível conexão entre ataques na França, Tunísia e Kuwait.

O dia seguinte à série de atentados – de fundo terrorista islâmico confirmado ou presumido – continua sendo de luto e de choque, mas também de investigações intensificadas.

A grande pergunta permanece em aberto: se os ataques em Tunísia, França e Kuwait foram coordenados e se estão relacionados ao primeiro ano da autoproclamação do "Estado Islâmico" (EI) como "califado", em 29 de junho. Um argumento a favor dessa teoria é o fato de os atos criminosos terem sido cometidos quase simultaneamente, apesar de separados por grande distância geográfica.

O presidente do Conselho Central Muçulmano na Alemanha, Aiman Mazyek, considera possível ter havido uma ação coordenada, "uma combinação entre os terroristas". Diversos órgãos nacionais e internacionais estão investigando, entre eles o Ministério Público Federal alemão, sediado em Karlsruhe.

Ao contrário do massacre na Tunísia e do ataque suicida no Kuwait, até o momento nenhum grupo jihadista reivindicou o crime na França. O presidente François Hollande convocou neste sábado (27/06) uma reunião urgente com o primeiro-ministro Manuel Valls.

Suspeito é interrogado

A polícia francesa continua interrogando o suspeito do ataque à fábrica americana de produtos químicos Air Products & Chemicals em Saint-Quentin-Fallavier, a cerca de 40 quilômetros de Lyon.

Yassin Salhi, de 35 anos, é responsabilizado por causar uma explosão ao invadir, com uma caminhonete de entregas, um depósito contendo recipientes de substâncias químicas perigosas. Um promotor comentou que, ao ser contido por bombeiros, o suspeito tentava abrir bujões de acetona, possivelmente com o fim de causar uma explosão ainda mais grave.

Segundo o promotor François Molins, não há qualquer indicação de que Salhi tenha agido com um cúmplice. A polícia francesa também interroga um segundo homem por acusações relacionadas a terrorismo, mas não está claro se ele estaria envolvido no atentado de Saint-Quentin-Fallavier.

Frankreich Anschlag bei Grenoble

Usina da Air Products & Chemicals em Saint-Quentin-Fallavier

Ligações salafistas

O ministro francês do Interior, Bernard Cazeneuve, informou que, mesmo não sendo fichado na polícia, Yassin Salhi estava na mira dos serviços de segurança desde o início dos anos 2000.

Ele havia sido investigado devido a ligações com salafistas radicais, mas nunca houve indícios de que planejava um atentado. Devido aos sinais de radicalização, em 2006 abriu-se um inquérito contra Salhi, que foi fechado dois anos mais tarde, relatou o ministro.

Um colega de trabalho o descreveu à rádio francesa RTL como "lobo em pele de cordeiro", comentando que Salhi teria o procurado para falar sobre o "Estado Islâmico", embora sem tentar recrutá-lo.

Selfie com cabeça cortada

Um detalhe especialmente macabro do atentado na França foi o achado de uma cabeça decepada, cravada numa cerca próxima. Segundo o promotor Molins, ela estava ladeada por duas bandeiras ilustradas com o Shahada, a profissão de fé muçulmana.

A vítima era Hervé Cornara, de 54 anos, dono da firma de entregas em que Yassin Salhi trabalhava. Fontes próximas às investigações revelaram à imprensa que ele teria tirado uma selfie com o decapitado, enviando-a, pelo serviço de mensagens instantâneas WhatsApp, a um número no Canadá, cuja auntenticidade está sendo investigada.

A forma de execução de Cornara, única vítima do ato, reforça as suspeitas de conexões com o "Estado Islâmico", que adotou a decapitação como uma de suas marcas registradas em vídeos de recrutamento e intimidação. Além de suas bases no Iraque e na Síria, o grupo jihadista também age no Norte da África.

A França está atualmente envolvida em diversas campanhas militares, tanto em países africanos eminentemente muçulmanos como contra a o EI, no norte Iraque. Isso tem tornado o país, que possui a maior população islâmica da Europa Ocidental, alvo frequente de fundamentalistas.

AV/afp/rtr/ap/dpa

Leia mais