1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Polícia Federal cita 'possível envolvimento' de Lula em crimes

Em relatório, investigadores suspeitam que recursos desviados pela Odebrecht financiaram construção do Instituto Lula e de outras propriedades do ex-presidente.

Um relatório da Polícia Federal (PF) diz que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva deve ser investigado por "possível envolvimento em práticas criminosas". O documento faz parte da Operação Acarajé, a 23ª fase da Lava Jato, iniciada nesta segunda-feira (22/02)

"O possível envolvimento do ex-Presidente da República em práticas criminosas deve ser tratado com parcimônia, o que não significa que as autoridades policiais devam deixar de exercer seu mister constitucional", diz o relatório assinado pelo delegado Filipe Hille Pace.

Segundo os investigadores, as suspeitas estão relacionadas aos gastos com a construção de uma nova sede do Instituto Lula em São Paulo, em 2010, e o financiamento de propriedades em nome de Lula com recursos da Odebrecht, que teriam sido desviados da Petrobras.

"É importante que seja mencionado que a investigação policial não se presta a buscar a condenação e a prisão de 'A' ou 'B'", diz o relatório. "Se os fatos indicarem a inexistência de ilegalidades, é normal que a investigação venha a ser arquivada."

A denúncia se baseia numa anotação no celular do presidente da construtora, Marcelo Odebrecht – "Prédio (IL)" aparece ao lado de um valor de 12 milhões de reais.

"Caso a rubrica "Prédio (IL)" refira-se ao Instituto Lula, a conclusão de maior plausibilidade seria a de que o Grupo Odebrecht arcou com os custos de construção da sede da referida entidade e/ou de outras propriedades pertencentes a Luiz Inácio Lula da Silva."

Em nota, o Instituto Lula afirmou que a sede da entidade ainda não existia na data apontada pelo relatório. O Instituto Lula foi fundado em agosto de 2011, no local onde antes funcionava o Instituto Cidadania.

Lula também é investigado por supostas irregularidades envolvendo um apartamento triplex no Guarujá, um sítio no interior de São Paulo, além de tráfico de influência e negócios entre seus filhos e grandes empresas.

Nesta segunda, a PF expediu um mandado de prisão temporária do publicitário baiano João Santana, marqueteiro das campanhas da presidente Dilma Rousseff e da campanha da reeleição de Lula, em 2006.

KG/efe/ots

Leia mais