1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Polícia alemã prende supostos membros do "Estado Islâmico"

Dois jovens são suspeitos de terem sido treinados pelos jihadistas na Síria e retornado à Alemanha. Estado de Renânia do Norte-Vestfália anuncia contratação de 385 policiais para ajudar no combate ao extremismo.

A polícia alemã prendeu nesta quinta-feira (22/01), no estado da Renânia do Norte-Vestfália, dois suspeitos de integrar o grupo extremista "Estado Islâmico" (EI).

Mustafa C., de 26 anos, e Sebastian B., de 27 anos, teriam viajado para a Síria em 2013 e lutado ao lado do Muhajirum Halab, grupo que mais tarde se uniu ao EI, segundo procuradores. Os dois teriam sido treinados e sido responsáveis pelo transporte de suprimentos para a linha de frente na Síria.

Além disso, Mustafa C. é acusado pelos procuradores de gerenciar a propaganda do grupo. Ele retornou da Síria para a Alemanha em setembro passado, e Sebastian B., em novembro de 2013.

O governo da Renânia do Norte-Vestfália também anunciou nesta quinta-feira que planeja contratar 385 policiais e agentes de inteligência para auxiliar no combate ao extremismo.

Autoridades estão preocupadas com possíveis atentados na Alemanha, realizados por militantes que retornaram ao país após passagem pelo "Estado Islâmico" e por outros grupos similares na Síria e no Iraque. Os temores aumentaram após os recentes ataques na França.

"Os ataques em Paris mostraram que há uma nova qualidade de ameaça", disse o secretário do Interior da Renânia do Norte-Vestfália, Ralf Jäger.

Segundo os serviços de segurança do país, cerca de 600 residentes da Alemanha ingressaram em grupos militantes na Síria e no Iraque. Destes, cerca de 60 foram mortos e por volta de 180 teriam voltado para casa.

Nesta quarta-feira, começou em Düsseldorf, capital da Renânia do Norte-Vestfália, o julgamento de três pessoas acusadas de apoiar o EI. Os três moram em Bonn, no mesmo estado. Entre os acusados está Karolina R., de 25 anos, que, entre outubro de 2013 e fevereiro de 2014, teria doado 11 mil euros aos jihadistas, além de câmeras de vídeo.

CN/rtr/apf/dpa/epd

Leia mais