1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Polícia alemã frustra atentado contra refugiados

Operação detém 11 homens e duas mulheres com objetos nazistas, armas e fogos de artifícios ilegais na Baviera. Segundo promotoria, grupo planejava atacar abrigos de requerentes de asilo "para causar medo e terror".

Em meio à crescente violência contra migrantes, a polícia alemã frustrou um plano de extremistas de direita de atacar abrigos de refugiados na Baviera, comunicaram autoridades nesta quinta-feira (22/10).

Promotores afirmaram que 11 homens e duas mulheres foram detidos durante operação policial na cidade de Bamberg, cerca de 50 quilômetros ao norte de Nurembergue. A polícia, que vinha observando o grupo há mais de um ano, também apreendeu vários quilos de poderosos fogos de artifício ilegais, uma arma de fogo, munição, bastões de beisebol, facas, bandeiras e adereços nazistas e até um "Stahlhelm" – capacete de aço usado no Império Alemão e durante as Guerras Mundiais.

A polícia também foi capaz de confirmar a suspeita de que o grupo planejava usar os explosivos para atacar abrigos de refugiados em Bamberg em 31 de outubro, a fim de "instaurar medo e terror entre requerentes de asilo", afirmou o promotor Erik Ohlenschlager.

Vários dos detidos são membros de um partido neonazista A Direita, enquanto uma pessoa esteve envolvida na organização de marchas do braço de Nurembergue do Pegida, o Nügida, disse o vice-chefe da polícia da Alta Francônia, Werner Mikulasch. Ao menos cinco suspeitos já foram liberados.

Autoridades alemãs têm advertido que a violência contra migrantes está em ascensão, num momento em que centenas de milhares de pessoas de Síria, Iraque e outras regiões afetadas por guerras e perseguições estão buscando refúgio na Alemanha.

Segundo dados fornecidos à agência de notícias AP, mais de 576 atos criminosos – principalmente vandalismo, propaganda e incitamento – foram registrados contra (ou nos arredores de) abrigos de refugiados neste ano – quase três vezes mais do que em 2014.

PV/ap/ots

Leia mais