1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Polícia alemã: bons salários, alta qualificação e equipamentos de ponta

A DW-WORLD entrevistou policiais, pesquisou sobre a carreira e acompanhou um dia de trabalho daqueles que exercem a profissão mais sonhada pelos estudantes secundaristas na Alemanha.

default

A polícia alemã trabalha com veículos e armamentos modernos

Uma pesquisa recente perguntou qual é a profissão dos sonhos para 12 mil alunos do ensino médio em todos os 16 Estados alemães. Em primeiro lugar apareceu a carreira de policial, com 16,1% das preferências femininas e 13,8% entre os estudantes do sexo masculino.

A opção, que pode causar surpresa, é perfeitamente compreensível na Alemanha, onde os policiais recebem salários relativamente altos, trabalham com veículos, equipamentos e armamento novos e não correm tantos riscos como os colegas de outros países.

Cada um dos Estados federados alemães tem a sua polícia, que não é militar e é gerenciada de forma autônoma. A admissão se dá por concurso público, que exige ensino médio completo, o que significa um mínimo de 12 ou 13 anos de estudos, dependendo do Estado em que o candidato resida.

Lei e ordem multilíngüe

Polizeihauptkommissar Wilfried Lange Polizei Bonn Foto:Bruno Taitson/DW

Comissário Lange: formação da polícia alemã é totalmente desmilitarizada

De acordo com Wilfried Lange, comissário de polícia na cidade de Bonn, nos últimos concursos o número de homens e mulheres que ingressam na corporação tem sido parelho e o nível cultural, cada vez mais alto.

"A qualificação do nosso policial vem crescendo de forma acelerada. Para se ter uma idéia, atualmente a grande maioria fala pelo menos um idioma além do alemão, e há vários que são trilíngües", relata.

Na polícia do Estado da Renânia do Norte-Vestfália, para se tornar policial, além da aprovação no concurso, é necessário concluir um curso de três anos, com carga horária de 40 horas semanais.

O policial cursa disciplinas nas áreas de direito civil, processual, criminal e europeu, criminalística, trânsito, psicologia, ciências sociais, ética e idiomas estrangeiros, entre outras.

Além disso, há treinamentos de defesa pessoal, imobilização, tiro, esportes, um estágio feito nas ruas sob a supervisão de policiais mais graduados e um projeto de conclusão dos estudos.

Trinta anos sem um tiro

Durante o curso de formação, os policiais recebem entre 870 e 1000 euros mensais. Quando começam a trabalhar, o rendimento sobe para 2170 euros, ultrapassando os 4000 no final da carreira, em valores médios.

Os policiais que trabalham nas ruas são designados para diferentes tipos de missão, como atuação no trânsito, segurança de eventos esportivos, culturais ou manifestações, patrulhamento rotineiro de ruas e casos de violência cotidiana.

O policial Willi Quarz, 49 anos, que trabalha no Estado da Renânia do Norte-Vestfália, diz que jamais precisou dar um tiro durante seus 30 anos de carreira. "Só uso minha arma dentro do estande, durante os treinamentos. Resolvemos praticamente 100% das situações por meio de diálogo", afirma.

Aceitação crescente das mulheres

Polizeikommissarin Iris Kyrion Polizei Bonn Foto:Bruno Taitson/DW

O número de policiais femininas, como Iris Kyrion, é cada vez maior na Alemanha

Iris Kyrian, 40, que trabalha como policial em Bonn há cerca de 20 anos, diz que desde criança sonhou com uma carreira na polícia. "Tenho esta profissão porque gosto de ajudar as pessoas a resolver situações que elas não conseguiriam sozinhas", destaca ela que, assim como Quarz, jamais precisou usar a arma durante o trabalho.

De acordo com ela, o crescente número de mulheres policiais na Alemanha faz com que as pessoas encarem com maior naturalidade o fato de serem abordadas por alguém do sexo feminino.

"Às vezes ainda percebo, principalmente quando estou sozinha, que alguns cidadãos não gostam de ser advertidos ou multados por uma mulher, mas isso felizmente está mudando", salienta Kyrion.

Pistolas de 007

A DW-WORLD acompanhou uma blitz de controle de trânsito em uma movimentada avenida de Bonn. Os policiais chegaram ao local em motocicletas da marca BMW, que custam 23 mil euros cada uma.

Na cintura, cada um carrega a pistola alemã Walther P99, o mesmo modelo usado por James Bond no último filme do agente britânico.

Num furgão, contam com os mais diversos materiais de apoio, como cones, sprays para indicar posição de veículos acidentados nas ruas, câmeras fotográficas, testes instantâneos de álcool e drogas, radar manual de velocidade e outros equipamentos.

Sem cunho militar

Polizei Oberkommissar Willi Quarz Polizei Bonn Foto:Bruno Taitson/DW

Willi Quarz aborda motociclista em blitz: "Em 30 anos de carreira, jamais dei um tiro"

O comissário Lange salienta que a formação dos policiais na Alemanha é a mais distante possível do modelo militar. "Para nós, o uniforme significa simplesmente que o cidadão pode identificar o policial e pedir sua ajuda, a polícia não pode despertar temor ou autoritarismo. Tanto no curso de formação como nos aperfeiçoamentos durante a carreira é dada uma enorme atenção ao aspecto dos direitos individuais do cidadão", explica.

Segundo ele, a experiência negativa do Terceiro Reich (1933–1945), quando a polícia era centralizada e representava um instrumento de repressão e truculência do Estado nacional-socialista de Adolf Hitler, serviu de lição para o país.

"Embora exista a hierarquia dentro da corporação, os policiais de ambos os sexos podem usar brincos e cabelos longos, e não necessitam saudar os superiores com a continência", conclui Lange.

Leia mais