1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

Plebiscito da oposição reúne 7,1 milhões na Venezuela

Consulta simbólica rejeita proposta de Assembleia Constituinte, defendida por Maduro. Uma mulher é morta e três pessoas são feridas durante ataque a tiros em frente a centro de votação em Caracas.

default

Venezuelanos foram convocados para participar de consulta simbólica sobre proposta do governo

Mais de 7,1 milhões de venezuelanos votaram num plebiscito simbólico contra o projeto de Assembleia Constituinte defendido pelo presidente Nicolás Maduro, anunciou nesta segunda-feira a oposição (17/07).

Opinião: Venezuela ainda espera pela "hora zero"

Com 95% dos votos contados, participaram 7.186.170 venezuelanos da consulta popular organizada pelos opositores sobre a alteração constitucional defendida pelo Executivo, afirmou a reitora da Universidade Central da Venezuela (UCV) e membro da comissão fiscalizadora do plebiscito, Cecilia García Arocha. Segundo ela, cerca de 98% dos participantes rejeitaram a proposta do governo.

Assistir ao vídeo 01:30

População rejeita proposta de Assembleia Constituinte

O dia da consulta foi marcado pela violência. Uma enfermeira de 61 anos, identificada como Xiomara Escot, foi morta e três pessoas ficaram feridas num ataque a tiros de um grupo armado em frente a um centro de votação da consulta popular, em Caracas. A oposição afirmou que se trata da ação de um grupo paramilitar.

A votação, que por decisão da Comissão Nacional de Telecomunicações da Venezuela não foi transmitida pelas rádios e TVs locais, decorreu em 1.600 pontos no país, como também no exterior.

Os venezuelanos haviam sido convocados, pela oposição, para participarem de um plebiscito simbólico contra o projeto de Assembleia Constituinte de Maduro. O plebiscito ocorreu neste domingo, após mais de três meses de intensos protestos, durante os quais ao menos 94 pessoas morreram.

Naquele que a oposição designou como "o maior ato de desobediência civil", os eleitores deveriam responder se apoiam ou não a Assembleia Constituinte, promovida por Maduro e convocada para 30 de julho.

Na votação, os eleitores também pediram que as Forças Armadas defendam a Constituição e apoiem o Parlamento, onde a oposição detém a maioria, afastando-se do governo.

A consulta incluía uma terceira pergunta sobre se aprovavam uma renovação dos poderes públicos, a realização de eleições livres e a formação de um governo de unidade.

O número de participantes na consulta simbólica, divulgado pela oposição, é pouco inferior aos 7,7 milhões que votaram nos candidatos oposicionistas nas eleições legislativas de 2015, garantindo ao campo dos adversários de Maduro o controle do Parlamento.

Também no domingo, os apoiantes de Maduro foram às assembleias de voto num ensaio para a votação de 30 de julho para eleger os membros da assembleia que vão redefinir a constituição da Venezuela de 1999.

AS/efe/lusa

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados