1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Planos de vigilância online desencadeiam polêmica

Ministro do Interior sugere permissão ao Estado para espionar computadores pessoais. A proposta, criticada por várias facções, chegou a ser taxada de "delírio de vigilância". Acompanhe a reação da imprensa alemã.

default

Estado: de olho na tela do seu computador

"O fato de o computador ter se tornado o objeto mais sagrado do homem moderno faz com que o axioma 'quem não deve, não teme' passe a não funcionar mais. A resistência ao rastreamento online de dados é sensivelmente maior do que àquela existente, até agora, em relação às leis de segurança. O PC hoje, mais do que o telefone e talvez até mais do que o quarto de dormir, é a essência da vida privada, na qual o Estado não deve se intrometer. Em arquivos de computador há diários e cartas de amor. Em suma, o computador é a porta de entrada para a intimidade das pessoas."

( S üddeutsche Zeitung)

"Em tempos de terrorismo, basta a mera promessa de um ganho marginal de segurança para que sejam suspensas as garantias reais e existentes de proteção à esfera privada – sem que isso desencadeie qualquer protesto numa população, que, por puro comodismo, diariamente perfura, ela própria, a proteção dos seus dados: através do comércio online, dos sistemas de cartão de crédito e de outros tipos de organizações. [...] Inconcebível continua sendo, porém, o fato de o Estado poder espionar os computadores por detrás das portas, enquanto uma batida policial só pode ser feita de posse de um mandado judicial."

( Die Zeit)

"A busca por terroristas é correta, mas, no momento, qualquer vaga ameaça é utilizada para tirar propostas prontas da gaveta. Isso quando não se tenta fazer com que essas propostas sejam disfarçadamente aprovadas. [...] Não é necessário ser nenhum Osama bin Laden para se sentir extremamente desconfortável perante um Estado vigilante como este. Um Estado que, no futuro, vai poder controlar, fácil e despercebidamente, quem esteve onde e quando."

( Abendzeitung)

"As montanhas de dados vão crescer até alturas inimagináveis e, com o planejado acesso às fotografias de passaportes pelas autoridades, os equívocos serão a regra e não a exceção. Se os planos de Schäuble terão um efeito, este será de ordem psicológica: demonstrar o grau de preocupação do Estado com o terrorismo e seus esforços para combatê-lo. Com o fato de milhões de inocentes estarem sendo levados neste combate, Schäuble consente sem problemas."

( Main-Echo)

"Não há equilíbrio na situação. Hoje, as impressões digitais são usadas para localizar alguém a partir de suspeitas concretas. Amanhã, elas estarão à disposição, caso haja alguma suspeita. Passo a passo vamos sendo vigiados. Cada um desses passos é compreensível; a direção para onde se caminha é que não é."

( Neue Ruhr/Neue Rhein-Zeitung)

Leia mais