1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Planejando o pós-guerra

O programa Petróleo por Alimentos será retomado. A ONU não quer deixar a distribuição por conta da administração americana no Iraque. Soldados alemães podem integrar força de paz.

default

Farinha do programa "Petróleo por alimentos" sendo descarregada em Bagdá

Uma comissão de especialistas, presidida pela Alemanha, começou a elaborar em Nova York um plano para garantir o abastecimento da população iraquiana após a guerra. Ele será apresentado na próxima semana como projeto de resolução ao Conselho de Segurança, informaram fontes diplomáticas na sede das Nações Unidas.

O Conselho de Segurança encarregou a Alemanha de elaborá-lo, por ser ela que preside, desde o início do ano, o Comitê de Sanções contra o Iraque. Estava a cargo deste comitê o programa da ONU Petróleo por Alimentos que, desde 1996, visou garantir o abastecimento da população durante a vigência das sanções.

Socorro para os iraquianos

Günter Pleuger in der UN

Embaixador alemão na ONU, Gunter Pleuger

Suspenso às vésperas da guerra, o programa deverá ser retomado o mais breve possível, para o que será necessário uma nova resolução. Após a reunião, o embaixador alemão nas Nações Unidas, Gunter Pleuger, disse que o Conselho de Segurança defende o uso dos mantimentos e recursos do programa para socorrer os iraquianos o quanto antes.

Irak Flüchtlinge Kurden kurdische Flüchtlinge erreichen Enklave in Qoshtappa

Família de curdos do Iraque fugiu de Kirkuk para Qoshtappa, perto da fronteira com a Turquia. As organizações de ajuda humanitária contam com 600 mil refugiados no Iraque

O comitê irá reunir as sugestões do secretário-geral da ONU, Kofi Annan, e de alguns membros do Conselho, analisando em que medida e como podem ser concretizadas. Trata-se de encontrar maneiras viáveis de distribuição de gêneros alimentícios e medicamentos em todo o Iraque e entre os refugiados nos países vizinhos, bem como de disponibilizar água potável em meio às ações de guerra e apesar delas.

ONU assumirá distribuição de alimentos

Partiu de Kofi Annan a proposta de retomar, de forma modificada, o programa Petróleo por Alimentos, suspenso às vésperas do início da guerra. Segundo as Nações Unidas, estão disponíveis alimentos no valor de 2,4 bilhões de dólares. O secretário-geral também quer que sejam enviados à região bens no valor de 6,5 bilhões de dólares, cujos contratos de fornecimento já foram assinados.

Também no futuro "o Conselho de Segurança será a organização responsável pela distribuição dos gêneros adquiridos com as exportações de petróleo do Iraque", disse o embaixador alemão, esclarecendo que isso não ficará a cargo de uma possível futura administração militar americana.

Embaixador: EUA não vão explorar o Iraque

O embaixador norte-americano na ONU, John Negroponte, disse que não se pensa em explorar o país em proveito de outros interesses. Os EUA irão garantir que os recursos naturais do Iraque - inclusive as reservas de petróleo - fiquem em mãos iraquianas e que eles sejam revertidos exclusivamente em proveito da população.

Mohammed Aldouri, embaixador do Iraque nas Nações Unidas, rechaçou a iniciativa, como também havia criticado a interrupção do programa no início da semana. Para ele, o secretário-geral da ONU está ajudando os EUA a tomarem os poços de petróleo do seu país.

Planos da Alemanha

O governo alemão também já faz planos para o pós-guerra, segundo o jornal Frankfurter Allgemeine Sonntagszeitung. De acordo com a edição dominical do FAZ, o Ministério das Relações Exteriores formou uma comissão para planejar a reconstrução do Iraque. O grupo seria formado pelo experiente diplomata Horst Freitag, que já atuou na Palestina.

O ministério não negou a informação, dizendo haver na realidade uma comissão que está analisando "todos os aspectos relacionados à crise iraquiana" e não especialmente com a reconstrução.

Referindo-se a fontes diplomáticas, o jornal disse ainda que em conjunto com o Ministério da Defesa está-se estudando a participação de 3 mil soldados alemães numa eventual força de paz internacional no Iraque. A missão custaria 1 bilhão de euros anuais aos cofres de Berlim.

Em entrevista à Deutschlandradio, o presidente do parlamento, Wolfgang Thierse (SPD), defendeu a participação alemã na reconstrução do Iraque. As prioridades seriam a formação de uma sociedade civil, a criação de uma ordem democrática e a cooperação econômica.

Leia mais