1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Pior epidemia de ebola da história completa um ano

Quando primeiro caso foi diagnosticado, na Guiné, ninguém imaginava que a doença se espalharia com tanta rapidez pela África Ocidental. Em pouco mais de 12 meses, vírus matou quase 8 mil pessoas.

Tudo começou no dia 2 de dezembro de 2013. Emile, um menino de dois anos de idade do vilarejo de Meliandou, na Guiné, tinha queixa de dores de barriga, febre e vômitos. Ele morreu quatro dias depois. A mãe, as irmãs, a avó e uma enfermeira também não resistiram. Cientistas consideram Emile o "paciente zero", o início da pior epidemia de ebola da história.

No final de março deste ano, as primeiras 60 mortes por ebola apareceram na mídia, que também noticiou que outras cem pessoas haviam sido infectadas. Na ocasião, o Ministério da Saúde da República da Guiné notificou a Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre a epidemia.

Nos meses seguintes, o vírus se propagou para os países vizinhos Serra Leoa, Libéria e Nigéria. Àquela altura, ninguém podia imaginar a rapidez com que o ebola iria se espalhar pela África Ocidental e que, dentro de um ano, cerca de 20 mil pessoas seriam infectadas e quase 8 mil morreriam vítimas da doença, de acordo com os últimos números da OMS, divulgados nesta segunda-feira (29/12).

Fora de controle

Seis meses depois dos primeiros casos de ebola, médicos advertiram que a doença estava fora de controle e que se tratava da pior epidemia do vírus desde que foi descoberto, há quase 40 anos. Naquele momento, a organização de ajuda humanitária Médicos Sem Fronteiras (MSF) contabilizou mais de 60 localidades afetadas pelo vírus na Guiné, na Libéria e em Serra Leoa. Para combater a doença, ministros e especialistas da área de saúde da África Ocidental decidiram iniciar campanhas informativas transnacionais.

Ebola Jahresrückblick

Campanhas informativas ajudam no combate à doença na África Ocidental

Paralelamente, a OMS consultou o hospital de doenças tropicais de Eppendorf, em Hamburgo, sobre um possível tratamento de Sheik Umar Khan, um dos principais especialistas em ebola de Serra Leoa, que havia sido infectado durante o trabalho.

No entanto, a transferência do paciente não chegou a acontecer, pois o renomado médico foi o primeiro profissional da área da saúde a morrer vítima da doença.
Pouco tempo depois, foi divulgado que mais de 240 profissionais e voluntários teriam sido infectados em seus locais de trabalho, e 120 teriam morrido. As causas incluíram sobrecarga de trabalho e falta de material de higiene, como roupas de proteção e luvas.

A MSF advertiu que os voluntários não estavam em condições de lidar com a situação cada vez mais precária. "Ebola – a catástrofe dentro da catástrofe – implicou o quase colapso da assistência médica nos países atingidos", resumiu Florian Westphal, diretor da ONG.

Vírus chega ao Ocidente

Em 7 de agosto deste ano, o vírus do ebola chegou à Europa. O padre Miguel Pajares foi levado de avião pelo governo espanhol para ser tratado em Madri, mas morreu depois de alguns dias.

Spanien Madird Überführung Ebola Miguel Pajares Patient

Padre Miguel Pajares foi transferido para Madri, mas não sobreviveu ao vírus

Depois dele, outros voluntários também foram transferidos para tratamento em países ocidentais, nem sempre com sucesso. Apesar dos casos de morte, as estações de isolamento pareciam estar bem equipadas, e o vírus também parecia estar sob controle.

Mas, então, veio a desilusão: pela primeira vez, duas enfermeiras foram infectadas pelo vírus do ebola fora do continente africano, na Espanha e nos Estados Unidos. Ambas as mulheres sobreviveram. Cientistas ainda não conseguiam explicar por que alguns pacientes se recuperam enquanto outros morrem.

O médico americano Kent Brantly e a enfermeira Nancy Writebol concordaram em receber o medicamento experimental ZMapp durante o tratamento contra o ebola. Anteriormente, o ZMapp só havia sido utilizado em testes com animais. Não havia nenhum remédio liberado para o tratamento da doença. Pouco tempo depois, a OMS ousava recomendar algo controverso: a aplicação de medicamentos não liberados para o tratamento de ebola.

Ajuda internacional

No dia 8 de agosto deste ano, a OMS declarou estado de emergência internacional devido à epidemia. Àquela altura, a organização somava 1.711 casos e mil mortos. As medidas assistenciais foram reforçadas em todo o mundo, centros de tratamento foram construídos nos países mais atingidos, e médicos e equipamentos foram enviados.

"A ajuda começou tarde. Havia falta principalmente de pessoal qualificado, que precisava ser treinado", disse mais tarde Westphal, da MSF, em alusão ao trabalho de ajuda humanitária por parte da comunidade internacional. "É preciso que se trabalhe para cortar pela raiz qualquer novo foco da epidemia", recomendou.

Ebola Jahresrückblick

Ajuda internacional vai continuar sendo necessária nos próximos anos, diz MSF

O Banco Mundial disponibilizou 200 milhões de dólares para o combate à doença. Em Nova York, as Nações Unidas estabeleceram um centro de crise de ebola no valor de 600 milhões de dólares. Também a União Europeia (UE) e os EUA aumentam o apoio financeiro.

Mesmo assim, a situação socioeconômica dos países atingidos piorou ainda mais. Medidas de quarentena, restrições de viagem e de transporte levaram a tumultos, pânico, aumento de preços e escassez de alimentos.

Para Westphal, em 2015, o objetivo deve ser controlar a epidemia. Ele afirma que, na Libéria, embora haja motivo para um otimismo cauteloso, em muitas partes do país, a situação ainda não se acalmou. Serra Leoa ainda registra novas infecções diariamente, acrescenta.

Portanto, mais ajuda internacional será necessária em 2015 e também em 2016. "Esperamos que a crise do ebola não seja esquecida somente por não aparecer mais tão frequentemente nos meios de comunicação", afirma o representante da MSF.

Leia mais