1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

PIB da China tem pior resultado em 25 anos

Crescimento de 2015 ficou em 6,9%, dentro da meta estipulada pelo governo, mas o pior desempenho desde 1990. Dados podem afetar mercados financeiros internacionais e preço de commodities.

O Produto Interno Bruto (PIB) da China teve crescimento de 6,9% em 2015, em linha com a meta do governo – de cerca de 7% – e com as expectativas de economistas. O ritmo da expansão, porém, é o mais lento em 25 anos, como anunciou Pequim nesta terça-feira (19/01).

A expectativa é de que o resultado acirre os temores em relação à economia chinesa, que há meses lida com incertezas em suas bolsas de valores. As oscilações derrubaram outros grandes mercados financeiros e afetaram o preço das commodities – a China é o maior comprador delas no mundo.

"A economia cresceu em um ritmo moderado, mas estável e sólido", ressaltou o Escritório Nacional de Estatísticas.

Em 2015, o PIB chinês continuou sua tendência de desaceleração progressiva, com expansões de 7% no primeiro e segundo trimestres; de 6,9% no terceiro, e de 6,8% no último. O crescimento no quarto trimestre foi o mais baixo em um período de três meses desde a eclosão da crise financeira mundial em 2008.

Em 2014, o PIB chinês cresceu 7,3%. Nos últimos anos, a China sofreu com a exportação fraca, com poucos investimentos, capacidade industrial sobrecarregada e nível de endividamento elevado.

Em 2015, o crescimento em investimentos em fábricas, habitação e outros ativos fixos diminuiu para 12%, uma queda de 2,9% em relação ao ano anterior. O crescimento em vendas caiu para 10,6%, em comparação com 12% de 2014. Já o comércio eletrônico cresceu 33,3% em comparação com 2014.

Mudança de modelo

Pequim tenta controlar esse enfraquecimento cortando taxas de juros, aumentado gastos e promovendo uma reforma na economia. O setor de serviços foi responsável por 50,5% do PIB, ultrapassando os 48,1% registrados em 2014. Pela primeira vez, esse setor ficou à frente da indústria e da agricultura, uma consequência da tentativa transição do modelo econômico do país, que procura depender menos da indústria e da exportação.

O governo chinês tenta mudar o modelo econômico centrado na produção para um impulsionado pelo consumo interno e em investimentos. E, diante disso, afirma que um crescimento mais baixo é "normal" durante um processo de reformas.

A geração de energia elétrica diminuiu pela primeira vez desde 1968. Em 2015, foram gerados 5,5 trilhões de quilowatts-hora de energia, uma queda de 0,2% em relação ao ano anterior. A diminuição foi causada pelo enfraquecimento da demanda na indústria.

Para especialistas, o crescimento econômico chinês de 2015 ficou dentro de uma escala saudável, porém, muitos esperam uma desaceleração bem maior neste ano.

"A meta foi quase alcançada no ano passado. No entanto, a atual situação econômica não é boa. Acredito que o crescimento neste ano deve ficar abaixo de 6,5%", afirma He Xiaoyu, professor na Universidade Central de Finanças e Economia em Pequim.

O Fundo Monetário Internacional prevê um crescimento na China ainda menor, de 6,3%.

CN/rtr/dpa/lusa/ap

Leia mais