1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

PF conclui que houve corrupção passiva em caso Temer

Em relatório preliminar de investigação envolvendo presidente e Rodrigo Rocha Loures, investigadores não têm dúvidas sobre a existência deste crime. Polícia Federal pede, porém, prazo maior para concluir inquérito.

Decisão de denunciar Temer caberá ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot

Decisão de denunciar Temer caberá ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot

Em relatório preliminar entregue nesta segunda-feira (19/06) ao Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a investigação envolvendo o presidente Michel Temer e seu ex-assessor Rodrigo Rocha Loures, a Polícia Federal (PF) concluiu que houve crime de corrupção passiva, mas pediu um prazo maior para concluir o inquérito referente aos delitos de organização criminosa e obstrução de Justiça.

Ainda não se sabe qual o papel atribuído a cada um dos investigados pela PF, que não se manifestou sobre o relatório. Mas, de acordo com o jornal Folha de São Paulo, o documento é conclusivo sobre a existência do crime de corrupção passiva.

Assistir ao vídeo 02:26

Áudio da conversa entre Temer e Joesley Batista

Segundo o jornal O Globo, a investigação levou em consideração indícios e provas, além de conversas gravadas entre o diretor da JBS Ricardo Saud e Loures.

A corrupção estaria ligada ao episódio da mala de propina de 500 mil reais, que beneficiaria Temer, entregue a Loures por Saud. O dinheiro foi devolvido pelo ex-assessor que foi preso no início de junho.

A PF pediu ao ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no STF, um prazo adicional de cinco dias para concluir as outras investigações, pois espera o laudo das perícias das gravações feitas por Joesley Batista.

A decisão de denunciar Temer e Loures ao Supremo, com base nas investigações da PF, caberá ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Desde o início das investigações, Temer nega as acusações.

Cenário pós-denúncia

Se a PGR apresentar a denúncia por crime comum contra Temer, caberá ao ministro Fachin notificar o presidente e pedir para que ele ofereça uma resposta no prazo de 15 dias. Se o STF aceitar então a denúncia, o caso deve seguir para a Câmara. Ao contrário de um pedido impeachment, que trata de crimes de responsabilidade, a denúncia não pode ser engavetada pelo presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que já vem ignorando a apresentação de uma série de pedidos que pedem a destituição do presidente.

No caso da denúncia criminal pela PGR, Maia será obrigado a submeter o caso ao plenário da Câmara. São necessários os votos de dois terços dos deputados (342 votos) para que o processo avance e Temer se torne réu e seja afastado temporariamente do poder. Neste caso, a denúncia ainda seria remetida mais uma vez ao STF, que será responsável pelo julgamento - ao contrário do que ocorre em um impeachment, onde o Senado assume essa tarefa. Neste caso, Temer poderá se tornar réu e ser afastado por até 180 dias até a conclusão do julgamento.

CN/ots

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados