Petrobras estreia como operadora no Golfo do México | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 06.01.2012
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Petrobras estreia como operadora no Golfo do México

Pouco conhecida nos EUA, empresa brasileira inicia atividades em dois poços no Golfo do México. Especialistas norte-americanos dizem que padrão de segurança da Petrobras melhorou desde acidente com a P-36, em 2001.

default

Golfo do México: cerca de 3.500 plataformas

A Petrobras está prestes a estrear no Golfo do México o seu primeiro projeto como operadora. A companhia brasileira já atua na região em parceria com outras empresas, mas, pela primeira vez, terá 100% de controle de um poço de extração.

O início das atividades está previsto para até o fim de janeiro em dois campos: no de Cascade, a Petrobras tem controle total; no de Chinook, a empresa atua em parceira com a francesa Total, com 66,7% de participação. As plataformas, instaladas a 250 quilômetros da costa do estado norte-americano da Luisiana, vão buscar petróleo e gás a mais de 2 mil quilômetros de profundidade.

O Golfo do México ainda vive os impactos da tragédia de abril de 2010, quando a plataforma Deepwater Horizon, da britânica BP, explodiu e matou 11 pessoas. Classificado como o "o pior desastre ambiental da história no continente" pelo Greenpeace, estima-se que 780 milhões de litros de petróleo cru tenham vazado para o mar.

Quase dois anos depois do incidente, a extensão do prejuízo ainda é incerta. "Não sabemos muito sobre os impactos nas águas profundas. É difícil chegar até lá, e esse é um problema de longo prazo. Há muitas pesquisas em andamento", disse James Natland, da Universidade de Miami, à DW Brasil.

Tecnologia e segurança

A companhia brasileira vai levar à região a tecnologia FPSO (Floating Production, Storage and Offloading vessel). Trata-se de um navio-plataforma com instalações de produção e estocagem, com capacidade de processar diariamente até 80 mil barris de petróleo e 50 mil metros cúbicos de gás natural.

Segundo a Petrobras, as autoridades norte-americanas elogiaram "a qualidade tecnológica do projeto e ressaltaram a colaboração entre a indústria e o governo americano para a produção segura de recursos de energia no país".

Kenneth Arnold, da consultoria norte-americana WorleyParsons, pondera: "FPSO é uma tecnologia muito comum. É a primeira vez que será usada no Golfo do México, mas há muitos navios como esse ao redor do mundo. Eu não diria que é mais seguro, diria que tem um nível de segurança equivalente ao dos outros sistemas de produção."

Entre as vantagens desse tipo de operação, a companhia brasileira alega que o navio-plataforma pode ser rapidamente desconectado do poço em caso de ameaça de furacão. "O Golfo do México é um negócio arriscado. Evacuações ocorrem praticamente todos os anos devido a furacões", lembrou Natland.

Ölpest im Golf von Mexiko - Ölteppich

Mancha de petróleo no Golfo do México depois do acidente

Traumas do Golfo

A primeira plataforma em águas profundas foi instalada em 1947 no Golfo do México – de lá para cá, a produção não parou, salvo o período da moratória imposta por Barack Obama, entre maio e outubro de 2010, em decorrência do vazamento da BP.

O trauma recente desacelerou a atividade no local, mas, segundo Arnold, o cenário está se normalizando. "As atividades estão voltando aos poucos ao nível de antes do acidente. Isso aconteceu apenas porque demorou um pouco para que o governo determinasse qual seria o procedimento de autorização e inspeção dos poços."

Desde a implantação de regulamentações mais severas, em junho de 2010, o Boem (Bureau of Ocean Energy Management), órgão do governo que regula o setor, aprovou 57 planos de exploração e nove planos de desenvolvimento de operações. Estima-se que cerca de 3.500 plataformas estejam em operação no local.

"As autoridades norte-americanas estão analisando com mais cuidado os planos que estão chegando e liberando as autorizações de uma maneira apropriada", considera Donald Winter, ex-secretário da Marinha dos Estados Unidos e professor na Universidade do Michigan. Dados do Boem mostram que licenças para a exploração de 5.832 blocos foram expedidas até o momento – o que não significa que todas estejam em operação.

Winter presidiu o comitê formado pela Academia Nacional de Engenheiros e pelo Conselho Nacional de Pesquisa que publicou, em dezembro último, um relatório sobre a situação pós-vazamento no Golfo do México. "Foram feitos muitos progressos, tanto do lado da indústria como dos reguladores. Há varias melhorias acontecendo, mais atenção sendo dispensada à segurança, inclusive por parte das empresas", declarou Winter à DW Brasil.

Bohrinsel in Seenot

Acidente com a P-36, em 2001, o pior da história da Petrobras

Reputação da Petrobras nos EUA

A marca Petrobras é praticamente desconhecida do público geral nos Estados Unidos, disse Winter. "Mas todos aqueles que trabalham no setor petrolífero conhecem a empresa brasileira", assegurou Arnold.

A companhia recebeu em março de 2011 a licença para iniciar o projeto em Cascade e Chinook. "Anos atrás, a empresa não tinha uma boa reputação. Isso antes de a P-36 afundar", relata Arnold, fazendo referência ao pior acidente da história da companhia. Em 2001, antes de afundar, explosões na plataforma conhecida como P-36 provocaram a morte de 11 funcionários.

"A empresa fez uma grande mudança em relação à maneira como entende o que é segurança. E passou por transformações significativas nos últimos anos no Brasil. Nos Estados Unidos, a Petrobras está seguindo as regras e regulamentações locais, como qualquer outra companhia", pontua o consultor. "E o governo é muito severo ao checar se as empresas estrangeiras estão seguindo as regras."

Autora: Nádia Pontes
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais