1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Ciência e Saúde

Pesquisa usa 115 milhões de animais por ano no mundo, diz ativista

Debate ganhou força no Brasil após caso envolvendo cães da raça beagle. Só na Europa estima-se que 3 milhões de bichos morrem anualmente em testes científicos, mas ONG alerta que números podem ser ainda maiores.

Todos os anos, 115 milhões de animais são usados em pesquisa em todo o mundo. Embora não existam dados oficiais – muitos países não mantêm registros –, a estimativa foi feita pela diretora de ciências da Coligação Europeia para o Fim das Experiências em Animais, Katy Taylor, com base em modelos matemáticos.

Na União Europeia, a burocracia para pesquisa com animais é extensa e, por isso, segundo a ativista, os números refletem melhor a situação. Por ano, 12 milhões de animais – especialmente ratos e outros de pequeno porte – são usados em pesquisas na Europa.

A ONG Pessoas pelo Tratamento Ético dos Animais (PeTA) estima que, desse total, 3 milhões acabam mortos por ano. Mas o consultor da entidade na Alemanha, Edmund Haferbeck, estima que os registros podem não ser tão precisos e que esse total pode ser ainda maior.

O debate ganhou força no Brasil nesta semana, depois que grupos de defesa dos animais invadiram o Instituto de Pesquisa Royal e resgataram cachorros da raça beagle usados em testes. O site do instituto saiu do ar, mas a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) publicou uma nota criticando a ação dos ativistas e destacando "a importância da utilização de animais para o desenvolvimento de novos medicamentos e tratamentos para o ser humano bem como de outras espécies animais".

Ratos estão entre os animais mais utilizados

Ratos estão entre os animais mais utilizados

A nota não especifica se os animais eram usados para a pesquisa cosmética, mas menciona a produção de "produtos farmacêuticos, produtos para a saúde, dispositivos médicos, agrotóxicos, produtos químicos e veterinários, aditivos para rações e alimentos, entre outros". Em casos semelhantes, a legislação europeia recomenda o uso de um número mínimo de animais, e prevê um controle rígido das condições em que vivem.

Europa proibiu testes para cosméticos

A venda de cosméticos testados em animais foi proibida na Europa em março deste ano. Taylor explica que existem alternativas bastante eficazes para esse tipo de experimento, como o uso de tecido humano descartado em cirurgias plásticas. Além disso, de acordo com a pesquisadora, esse tipo de material oferece resultados muito mais precisos do que testes em animais, que têm anatomia e fisiologia distintas.

Ativistas não crêem em uma proibição a curto prazo

Ativistas não crêem em uma proibição a curto prazo

Com a nova regra, não podem ser vendidos nos países europeus cosméticos que tenham elementos testados em animais. Antes da proibição, um extenso relatório foi encomendado pela Comissão Europeia. Representantes de diferentes áreas do setor trabalharam no documento e apresentaram alternativas viáveis para suspensão dos testes com animais, passiveis de implementação em um prazo de cinco a sete anos.

Além dos testes em si, que ambientalistas rotulam como crueldade, a própria manutenção dos animais em ambiente laboratorial motiva resistências. Taylor explica que, para que os resultados possam ser aferidos, os animais permanecem em isolamento, e muitos nunca chegam a ver a luz do dia. Para ela, pesquisas psicológicas – que testam a reação de animais a diferentes situações de estresse ou privações – podem ser ainda mais prejudiciais do que testes químicos.

Apesar da proibição para uso cosméticos, a PeTA aponta que na pesquisa de medicamentos não existem alternativas. No entanto, dados publicados pelo órgão regulador de medicamentos dos Estados Unidos (FDA) dão conta que 92% de todas as drogas aprovadas em testes clínicos realizados com animais falharam em testes clínicos.

"Mas vai levar ainda muito tempo para que sejam proibidos também os testes em pequenos animais como primatas e ainda mais tempo para que não se usem mais camundongos", afirma Taylor.