Perito em China não acredita em transformações no país | Leia notícias sobre o maior evento esportivo do planeta | DW | 10.04.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Jogos Olímpicos

Perito em China não acredita em transformações no país

Política chinesa em relação às minorias e aos direitos humanos é cada vez mais rígida, dificultando relações com o Ocidente. Michael Lackner, estudioso sobre a China, cita razões históricas e fala dos Jogos no país.

default

Manifestação pró-Tibete em Hamburgo

DW-WORLD.DE: Professor Lackner, o senhor espera com alegria o 8 de agosto, quando começam os Jogos Olímpicos de Pequim?

Michael Lackner: Eu já havia me alegrado mais. Por um lado, a China quer brilhar com o evento, por outro, pretende atingir certa homogeneização e certo progresso. A primeira expectativa, a abertura para fora e o encontro da juventude mundial em clima de paz e alegria, provavelmente não vai mais acontecer. No aspecto interno, temos de ver se o governo chinês conseguirá evitar protestos.

Foi errado conceder os Jogos à China?

Michael Lackner Sinologe

Michael Lackner

Possivelmente foi uma escolha sem muita reflexão, pois se subestimou os protestos dos tibetanos, as atividades dos monges tibetanos, e também a força do controle, a intensidade da opressão que não atinge só os tibetanos, mas também o acesso dos chineses à mídia, à liberdade de opinião.

Os Jogos Olímpicos fomentariam os direitos humanos e a liberalização na China, jornalistas poderiam trabalhar livremente. Isto foi prometido pelo vice-prefeito de Pequim, Liu Jingmin, quando ainda era porta-voz do comitê de candidatura da cidade, antes de o Comitê Olímpico Internacional, em 2001, decidir que a capital chinesa seria sede dos Jogos. O que agora impede o governo chinês de cumprir a promessa?

Eu acredito plenamente que as promessas serão cumpridas! Segundo as últimas informações, durante as três semanas dos Jogos todos os hotéis internacionais e alguns cybercafés terão acesso irrestrito à internet. Por um lado, para que os jornalistas possam trabalhar e, por outro, talvez também para que informem que não tiveram problemas no acesso à internet. Este tipo de promessa tal governo naturalmente pode cumprir a qualquer tempo. Só que isso não acontecerá amplamente!

Se os Jogos não fossem na China, o ativista Hu Jia também teria sido condenado a três anos de prisão?

Pessoalmente, acho que ele teria sido condenado, pois nos últimos anos vivenciamos várias destas condenações. O único aspecto relevante é que Pequim não se deixa intimidar pelos Jogos Olímpicos e mantém a política de linha dura.

Com sua candidatura aos Jogos, a China apresentou-se como nação autoconfiante. Os Jogos estavam planejados para ser uma encenação perfeita: a entrada definitiva de um país bem-sucedido na comunidade internacional. Como os atuais danos à imagem da China irão se refletir nas relações entre a China e o Ocidente?

Karte China mit Tibet und Lhasa

Assim como muitas outras pessoas, eu teria desejado que esta encenação perfeita também deixasse claro seu status no mundo. Pense em 1989, quando a indisposição durou alguns anos e levou praticamente à ruptura das relações. O tempo que vai durar agora também depende um pouco da memória do Ocidente.

A corrida com a tocha olímpica, planejada por Pequim para ser a "corrida da harmonia", foi marcada por tumultos e protestos. O governo chinês reagiu indignado à perturbação de sua encenação. Os protestos são contraproducentes?

Naturalmente que agora se agravam a situação e os ânimos. Não apenas no governo chinês, mas também entre a população da China, que simplesmente não fica sabendo o que se noticia aqui.

Com respeito à compreensão dos direitos humanos e ao significado da liberdade de opinião, parece que a China e o Ocidente têm sistemas de comunicação completamente diferentes. O que a China interpreta como uma conspiração antichinesa é visto pelo Ocidente como revolta legítima de uma minoria reprimida. É um fracasso da comunicação?

Com certeza. Realmente temos de fazer o possível para manter o diálogo. A pergunta é: com quem? No momento parece difícil manter um diálogo com o governo chinês sobre estas questões, especialmente sobre a questão do Tibete. Parece-me importante que prossiga o diálogo em áreas da cultura e das ciências. Pois me parece que o diálogo na economia, de qualquer maneira, continua.

De onde vem esta enorme solidariedade patriótica da população chinesa com seu governo?

O acesso dos chineses não é restrito apenas em relação à imprensa. Também a chamada "educação patriótica", que há pelo menos duas décadas atinge todos os chineses. Veja como é apresentada a história chinesa nos livros escolares! A questão da integridade territorial é bem central.

Demonstranten tummeln sich auf brennenden Trümmer in den Straßen von Lhasa, Tibet

Protestos com fogo em Lhasa, capital do Tibete, em 14 de março

O que, em sua opinião, aconteceu realmente no Tibete em 11 de março e nos dias seguintes? Uma manifestação antichinesa de monges lamaístas pacíficos? Uma rebelião de jovens tibetanos frustrados e sem perspectivas, que se sentem cada vez mais estranhos no próprio país e atearam fogo em Lhasa – nos moldes da periferia de Paris?

As duas coisas aconteceram ao mesmo tempo. Há monges que seguem estritamente os princípios do Dalai Lama – e de Mahatma Gandhi –, de protestar sem violência. E há jovens frustrados. Esta sim é uma revolta! Sua estilização em manifestação pacífica só pode ter saído dos cérebros de jornalistas muito, muito pró-Tibete.

Como a China legitima seus direitos de dominar o Tibete?

Vejamos primeiro pelo lado contrário. Até 1911, os tibetanos, e também os mongóis, foram leais à Dinastia Manchu. Os lamas eram os orientadores espirituais dos soberanos manchus e, portanto, tinham uma influência civilizadora sobre a China. Em contrapartida, em relação ao Estado nacional chinês, que começou a se formar em 1911, não havia nenhuma sensação de lealdade. Por isso a situação hoje é tão difícil. Trata-se de um império, talvez o último império da Terra, que argumenta com critérios e conceitos de Estados nacionais – como a homogeneização e a integridade territorial. Se pudéssemos sugerir algo aos chineses, seria a retransformação em império, que permitisse mais tolerância. Esta é a questão fundamental. Mas não veremos isto acontecer nem com este governo, nem com este partido.

O senhor vê uma mínima chance para uma solução pacífica da questão do Tibete? Algum dia haverá conversas diretas com o Dalai Lama?

Atualmente, certamente não, o ambiente está muito envenenado.

Michael Lackner é professor de Sinologia (ciência que trata da história, da língua, da escrita, das instituições e dos costumes chineses).

Leia mais