1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Perito alemão vê Banco do Sul como parte do marketing de Chávez

Economista diz que instituição não é alternativa ao FMI e ao Banco Mundial. Perito da Fundação Konrad Adenauer vê banco como mais um instrumento para Chávez aumentar sua influência na América do Sul.

default

Chávez: primeiro a TeleSur, agora o Banco do Sul

O plano de seis nações sul-americanas (Argentina, Brasil, Bolívia, Equador, Paraguai e Venezuela) de criar o Banco do Sul, a ser referendado na cúpula dos ministros da Economia dos países fundadores, nesta quinta e sexta-feira (28 e 29/06) no Paraguai, é visto com ceticismo no exterior.

Segundo o economista Federico Foders, do Instituto para a Economia Mundial da Universidade de Kiel, na Alemanha, "os objetivos até são aparentemente bons". Mas ele não acredita que o Banco do Sul seja uma alternativa ao Fundo Monetário Internacional (FMI) e ao Banco Mundial, como quer o presidente venezuelano Hugo Chávez, principal idealizador do projeto.

"Políticos latino-americanos sempre gostam de reforçar seu distanciamento [em relação ao FMI e ao Banco Mundial]. Mas isso não pode ser levado a sério", disse Foders à DW-WORLD.

Segundo ele, o escasso capital inicial de 7 bilhões de dólares limita o poder do banco. "Isso é relativamente pouco, levando-se em conta que a Argentina teve 150 bilhões de euros de dívidas durante a sua crise econômica e que os latinos nos EUA enviam anualmente 60 milhões de dólares aos seus países de origem", comparou.

Esquema de Chávez

Na opinião de Hans-Hartwig Blomeier, diretor do departamento latino-americano da Fundação Konrad Adenauer, "politicamente, o plano deve ser levado a sério. Ele cabe no esquema de Chávez para exercer influência sobre o continente. Para isso, ele precisa de determinadas instituições: a televisão multi-estatal TeleSur foi um primeiro passo no setor de mídia. E nesse sentido eu vejo o Banco do Sul como um segundo passo coerente".

Blomeier questiona se a nova instituição será capaz de fazer algo que não seja viável através do Banco Interamericano de Desenvolvimento. "Talvez fosse melhor concentrar os esforços e aperfeiçoar os instrumentos já existentes", declarou à DW-WORLD.

Para ele, a criação do banco não passa de uma "estratégia de marketing de Chávez, para demonstrar capacidade de liderança. É só criação de efeitos e publicidade, como muito do que ele faz na Venezuela". (ir/gh)

Leia mais