1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Perigo de deflação assusta Alemanha

Com a alta vertiginosa do euro, que atingiu a cotação recorde de 1,19 dólar (27/05), aumenta o perigo de uma deflação na Alemanha. O Banco Central Europeu (BCE), entretanto, afirma que o risco é mínimo.

default

O euro nunca esteve tão alto em relação ao dólar

O mercado financeiro alemão tem demonstrado sinais de nervosismo. "Quanto mais o euro sobe, mais nos aproximamos da deflação", estima um analista. A valorização do euro encarece as exportações para os Estados Unidos, que é o segundo mercado mais importante para a Alemanha, depois da União Européia.

Os empresários reagem à fraca demanda baixando os preços. Mas numa fase de recessão pode acontecer que a baixa dos preços não aqueça o consumo, pois os consumidores ficam esperando que os preços caiam ainda mais. Os empresários, por sua vez, adiam os investimentos. É este processo de queda de preços que os economistas chamam de deflação.

Alerta do FMI

O alerta sobre o risco de deflação partiu do Fundo Monetário Internacional, que comparou a tendência deflacionária da economia alemã à situação do Japão. A economia japonesa está em queda há quase dez anos.

Como medida preventiva, o FMI recomendou que o Banco Central Europeu (BCE) baixasse a taxa referencial de juros - atualmente de 2,5% -, a fim de aumentar a quantidade de dinheiro em circulação.

Gustav Horn, analista do Instituto Alemão de Pesquisa Econômica (DIW), considera que a Alemanha tem todos os ingredientes para entrar em deflação: quebra do mercado de ações, estagnação intermitente, alta do euro e a falta de reação dos políticos. Tudo isso acaba pressionando os preços e os salários.

Banco Central Europeu despreza deflação

Lucas Papademos, vice-presidente do Banco Central Europeu (BCE), acha que há muito pouco risco de deflação na zona do euro. A inflação projetada para 2003 é de 1,5%.

Em relação à Alemanha, onde a inflação anual caiu para menos 1%, Papademos acha que o perigo de deflação é "desprezível". Ele ressaltou que o BCE ainda tem instrumentos da política de juros para prevenir a deflação e que a baixa inflação pode beneficiar as exportações alemãs para os países da zona do euro.

O presidente do Banco Mundial, James Wolfensohn, discorda também do FMI quanto ao temor de deflação na Alemanha. Ele acha que os atuais mecanismos econômicos são suficientes para controlar o risco.

Wolfensohn defendeu reformas radicais na Alemanha. O país precisa encontrar um novo equilíbrio econômico para aliviar a sobrecarga de sua sociedade e encontrar novos rumos para o futuro. Se os problemas forem resolvidos, a Alemanha continuará sendo uma potência econômica, disse o presidente do Banco Mundial.

Leia mais