1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Pelo menos 40 corpos são encontrados na capital do Burundi

Polícia e testemunhas encontram mortos nas ruas de Bujumbura, um dia depois de três instalações militares serem atacadas por grupo rebelde. País vive onda de violência, após fracasso de golpe contra presidente em maio.

No mínimo 40 corpos foram encontrados na manhã deste sábado (12/12) nas ruas de Bujumbura, capital do Burundi, um dia após um ataque coordenado contra três instalações militares, por um grupo ainda não identificado, divulgou a polícia.

Testemunhas acusam as forças de segurança locais de terem executado os jovens de forma deliberada, horas depois dos ataques contra os acampamentos do Exército da sexta-feira.

A maioria das vítimas, assassinadas por disparos, também à queima-roupa, foi encontrada no distrito de Nyakabiga. Outros mortos estavam em Rohero II e Musaga.

"Na maioria, os mortos são domésticas ou jovens pais de família que se encontravam em casa. Isso é uma carnificina, não há outra palavra", comentou indignado um morador de Nyakabiga, pedindo anonimato.

A polícia nega as acusações. Segundo porta-voz do Exército, pelo menos 12 insurgentes morreram, outros 20 foram capturados e cinco soldados ficaram feridos durante os ataques aos campos militares. Um balanço completo das operações de sexta-feira deverá ser comunicado "no decorrer do dia".

O incidente ocorre em meio à instabilidade política no Burundi que começou em abril, quando o presidente Pierre Nkurunziza anunciou planos para um terceiro mandato, que muitos cidadãos e observadores internacionais afirmaram ser inconstitucional.

Ele venceu as eleições presidenciais de julho, marcadas pelo boicote da oposição e por violência. Cerca de 240 cidadãos já morreram desde abril, e quase um quarto de 1 milhão de habitantes fugiu para países vizinhos.

A tentativa de derrubar Nkurunziza em maio falhou. Porém um dos generais por trás do golpe afirmou que o grupo rebelde ainda planeja se livrar do presidente burundiano.

FC/rtr/dpa/afp/lusa

Leia mais