Pelo menos 20 pessoas são mortas em protestos no Iêmen | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 30.05.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Pelo menos 20 pessoas são mortas em protestos no Iêmen

Violência continua no Iêmen, apesar dos apelos internacionais. Presidente do país se recusa a deixar o poder. Até agora, são mais de 200 mortos em quase quatro meses de protestos na mais pobre nação árabe.

default

Revoltas já duram meses

Forças leais ao presidente do Iêmen mataram 20 manifestantes ao reprimirem um protesto na cidade de Taez , afirmaram manifestantes nesta segunda-feira (30/05). Agentes de segurança, apoiados pelo exército e tropas da Guarda Republicana, tomaram de assalto na noite de domingo um acampamento de ativistas que ocupavam a Praça da Liberdade, no centro da segunda maior cidade do Iêmen, em protesto contra o presidente do país, Ali Abdullah Saleh. Segundo testemunhas, os soldados atiraram contra as pessoas e incendiaram as barracas dos manifestantes.

"Pelo menos 20 manifestantes foram mortos", disse um dos organizadores do protesto. Tropas apoiadas por tanques de guerra invadiram um hospital de campanha e detiveram 37 dos feridos que recebiam tratamento no local, prendendo, ainda, centenas de pessoas. Os tanques passaram a ocupar a praça e atiradores de elite foram dispostos nos telhados de prédios próximos, segundo manifestantes.

"Foi um massacre. A situação é terrível. Eles arrastaram os feridos para centros de detenção", afirmou o ativista Bushra al-Maqtari. Os manifestantes disseram que a praça foi totalmente evacuada, enquanto as forças de segurança invadiram um hotel nas proximidades e prenderam vários jornalistas.

Präsident Jemen Ali Abdullah Saleh

Presidente Saleh se negou a firmar acordo por três vezes

Oposição diz que presidente enfrentará Justiça

A coalizão de oposição Fórum Comum condenou os "crimes contra a humanidade" cometidos pelas "remanescentes forças militares, de segurança e milícias armadas" de Saleh, alertando o presidente iemenita que ele será "pessoalmente responsabilizado por seus crimes contra o povo" e que não conseguirá fugir à Justiça.

O acampamento de Taez, iniciado há quatro meses, era o protesto de mais longa duração contra o regime de Saleh. Os confrontos ocorreram no domingo à noite próximo a uma delegacia de polícia nos arredores, quando cerca de 3 mil pessoas se uniram para exigir a libertação de um manifestante detido.

A polícia desferiu tiros de aviso e, em seguida, disparou contra a multidão, quando os manifestantes se recusaram a deixar o local, segundo testemunhas

Até agora, mais de 200 mortos

A luta pelo poder no Iêmen já dura quase quatro meses e ganha contornos cada vez mais sangrentos, com o governante do país se negando a deixar o poder, apesar dos protestos e de ter perdido o apoio de muitos de seus antigos aliados.

Em 18 de março, 52 pessoas morreram quando tropas fiéis ao regime tentaram dispersar um protesto contra o governo de Saleh na Praça da Universidade, na capital, Sanaa. O presidente declarou estado de emergência após o massacre.

Mais de 200 manifestantes foram mortos desde a eclosão dos protestos no Iêmen. Além disso, grande número de pessoas morreu em confrontos armados entre as tropas legalistas e membros de tribos dissidentes.

No sul do país, supostos militantes da Al-Qaeda mataram seis soldados iemenitas, de acordo com um oficial do Exército e um oficial de segurança. Agentes de segurança afirmaram que supostos integrantes do Al-Qaeda tomaram o controle da maior parte de Zinjibar, capital da província de Abyan, em três dias de confrontos durante os quais pelo menos 21 pessoas morreram, segundo médicos e fontes militares.

Al-Qaeda como álibi

Jemen Stämme Sanaa Kämpfe Flash-Galerie

País caminha para uma guerra civil

Comandantes dissidentes do exército acusam Saleh de entregar a província para "terroristas". O Fórum Comum acusou Saleh de "entregar Zinjibar para grupos que formou e armou, para continuar a utilizar o fantasma da Al-Qaeda" em favor próprio.

O grupo de opositores havia assinado um acordo, fechado sob o aval dos países ricos vizinhos , segundo o qual Saleh, no poder desde 1978, entregaria o cargo ao vice-presidente dentro de 30 dias, em troca da promessa de imunidade contra possíveis processos. Inicialmente, o presidente concordou com o plano, mas depois começou a impor cada vez mais condições para assinar o documento.

Saleh negou sua assinatura por três vezes seguidas, alegando, entre outras coisas, que "não permitiria que o país se tornasse um refúgio de combatentes da Al-Qaeda". O comportamento do governante levou o Conselho de Cooperação do Golfo, formado por seis nações da região, a suspender seus esforços de mediação.

O Iêmen é um dos países mais pobres e menos desenvolvidos do mundo árabe, com 75% de sua economia dependente do petróleo. Entretanto, a produção petrolífera está recuando desde 2001 e, segundo especialistas, no mais tardar em 10 anos as reservas do país terão se esgotado. Quase a metade dos 23 milhões de iemenitas ganha menos de dois dólares por dia.

MD/afp/ap
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais