1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Pela proteção dos mares

Conferência em Bremen reúne representantes dos 21 países banhados pelos mares Báltico e Atlântico Nordeste. Pauta inclui pesca, poluição e navegação. Ministro alemão prevê polêmica.

default

Pesca pode ser tema polêmico em Bremen

O ministro alemão do Meio Ambiente advertiu que temas como a pesca e a proteção de regiões extremamente sensíveis podem ser motivo de conflito entre os ministros do meio ambiente que participam da primeira conferência sobre os mares Báltico e Atlântico Nordeste, em Bremen. Jürgen Trittin acredita que a exclusão do Mar Báltico da lista de regiões marinhas extremamente sensíveis é uma questão polêmica. Outra questão controversa, segundo o ministro, é o despejo de material radioativo.

O político verde acusou alguns países europeus de falharem na implementação de decisões tomadas em conferências anteriores. Segundo ele, os mares ainda recebem muitos dejetos químicos e radioativos, contrariando uma decisão da Comissão Oslo-Paris, de 1998, que prevê justamente a redução da poluição por dejetos nucleares nos oceanos.

O protesto do ministro foi respaldado por organizações de defesa do meio ambiente, como o Greenpeace e o Fundo Mundial para a Natureza (WWF). Segundo o Greenpeace, os principais poluidores são os centros de reciclagem de dejetos nucleares de Sellafield, na Grã-Bretanha, e de La Hage, na França.

Pouco antes do início da conferência, o WWF entregou a Trittin um catálogo de reivindicações, entre as quais a obrigatoriedade de pilotos para encaminhar os navios que trafegam no Mar Báltico e Atlântico Nordeste. Entre outros pontos considerados polêmicos estão restrições à pesca e a proibição ao trânsito de navios que representem riscos ao meio ambiente.

Zonas de proteção fora das milhas marítimas

Trittin anunciou em Bremen que ainda em 2003 a Alemanha será o primeiro país europeu a ampliar a área de proteção no mar para além de 12 milhas marítimas. Os detalhes serão definidos brevemente pelos estados costeiros alemães. Outro tema da conferência de dois dias iniciada nesta quarta-feira é a criação de zonas protegidas fora das milhas marítimas territoriais, visando proteger sobretudo os pássaros. Sugestão neste sentido será apresentada pela Alemanha aos participantes da conferência.

Trittin destacou ser a primeira vez que ministros do Meio Ambiente se ocupam com questões da pesca. “Os responsáveis pela indústria pesqueira não gostam disso, o que demonstra as dificuldades da conferência”, salientou o ministro alemão, que defende também novas regulamentações para a instalação de redes de pesca fixa, para evitar a morte de milhares de baleias-porco.

Com o final da Guerra Fria, há 11 anos, o Mar Báltico recuperou seu papel de elo de ligação. Por iniciativa do então ministro alemão das Relações Exteriores Hans-Dietrich Genscher e seu colega dinamarquês de pasta Uffe Ellemann-Jennsen, os dez países países às suas margens fundaram o Conselho do Mar Báltico. Da fundação participaram ainda a Noruega, Suécia, Finlândia, Polônia, Rússia e os três países bálticos Lituânia, Letônia e Estônia. A Islândia juntou-se ao grupo em 1995, embora não seja banhada pelo Mar Báltico.

A Ospar (Comissão Oslo-Paris), ocupa-se com a poluição do nordeste do Oceano Atlântico. Criada em 1992, dela fazem parte todos os países do Atlântico Nordeste, mais a Suíça, Luxemburgo e a União Européia.

Leia mais