1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Pedidos de refúgio no Brasil aumentam oito vezes em três anos

Após grande alta entre 2010 e 2013, país tem atualmente 5,2 mil refugiados, número que pode duplicar neste ano. Para Conare, há uma "crise de governança" e é preciso melhorar a estrutura para receber essa população.

Atualmente, segundo estatísticas do Comitê Nacional para os Refugiados (Conare), o Brasil possui 5.208 refugiados reconhecidos de 80 nacionalidades distintas. Colômbia, Angola, República Democrática do Congo (RDC) e Síria são as origens predominantes.

Em 2013, segundo o levantamento apresentado pelo Comitê e pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur), nesta quarta-feira (14/05), em Brasília, foram registradas 5.256 solicitações, a maior parte de nacionais de Bangladesh, seguidos do Senegal, Líbano e Síria.

Segundo o presidente do Conare, Paulo Abrão, as causas para o aumento na procura são múltiplas: maior inserção internacional do Brasil, os eventos internacionais, tradição de receptividade e acirramento de algumas crises e conflitos internacionais. "Todos esses refugiados têm conseguido inserção laboral e profissional, e contribuído para nosso desenvolvimento econômico", avaliou.

Apesar das muitas negativas às solicitações que não se enquadram no estatuto do refúgio – no caso de Bangladesh, por exemplo, dois terços dos pedidos foram indeferidos no ano passado –, a expectativa das autoridades é que, este ano, as solicitações cheguem a 12 mil. "Estamos passando por uma etapa muito especial", avalia Andres Ramirez, representante do Acnur no Brasil.

Ele lembra que, se mantida a média de concessão – que atualmente é de cerca de 40% de todas as solicitações, o número de refugiados no Brasil poderá duplicar. "O Brasil tem evoluído favoravelmente nas políticas para melhorar a situação dos refugiados, e isso tem sido amplamente reconhecido pela comunidade internacional."

"Crise de governança"

A recente chegada, em São Paulo, de haitianos abrigados no Acre reacendeu as discussões sobre o grau de preparação do país para receber a população migrante. Os haitianos não se enquadram no estatuto do refúgio, que exige a comprovação de temor de perseguição por raça, religião, opinião, nacionalidade, ou que tenham tido que deixar o país devido a graves violações de direitos humanos.

Flüchtlinge aus Haiti in São Paulo

Refugiados do Haiti em São Paulo

Segundo o Conare, apesar de os haitianos terem solicitado o refúgio, seus casos são tratados pelo Conselho Nacional de Imigração, que lhes concede um visto de permanência por razões humanitárias. No total, mais de 7 mil haitianos receberam esse documento, segundo o Ministério da Justiça.

Paulo Abrão, presidente do Conare, reconheceu que o país passa por uma "crise de governança", que precisa de respostas nas áreas da democracia (inclusão dessa população nos processos decisórios do país, por exemplo), da estrutura e da inclusão dos migrantes no rol de atendidos por instituições e prestadores de serviços nacionais (uso de hospitais, reconhecimento de diploma, etc.).

Abrão lembrou que a primeira grande estrutura de recepção foi montada em Brasileia, Acre, "e deu conta por três anos, até que veio a enchente". O presidente do Conare lembrou que o governo prepara um plano de reestruturação que pretende abarcar essas áreas ainda deficitárias.

Novo procedimento para solicitação de refúgio

Nesta quarta-feira, o Conare publicou nova resolução que define as normas para concessão do refúgio. Entre as alterações, está a ampliação da validade do protocolo (situação provisória do refugiado) para até um ano – antes, o solicitante precisava pedir renovação em 180 dias.

Outra mudança é a concessão imediata do protocolo de refúgio, após uma entrevista com autoridade brasileira competente. Esse documento já garante a permanência regular do refugiado no país, mesmo antes de ele completar todo o ciclo de entrevistas e comprovações.

"O procedimento anterior estava calcado numa organização prévia à própria existência do Conare, quando as Cáritas e o Acnur faziam o reconhecimento direto dos refugiados. Evidentemente que o aumento das solicitações no último período nos exigiu ainda mais o aperfeiçoamento dessa simplificação normativa", explicou o presidente do Conare, Paulo Abrão.

O Brasil também tem, desde 2002, um acordo firmado com o Acnur para receber refugiados já reconhecidos por outros Estados, mas que precisem de um novo local para viver. Em geral, a adaptação cultural influencia nessa necessidade de reassentamento.

Atualmente, o Brasil recebe congoleses e também colombianos que estavam como refugiados no Equador.