1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Pedófilo Dutroux é considerado culpado

O belga Marc Dutroux foi considerado culpado por homicídio e por chefiar uma quadrilha que seqüestrou e violentou seis garotas, quatro das quais morreram. Sentença será anunciada na próxima semana.

default

Xavier Magnee, advogado de Dutroux

Em decisão anunciada nesta quinta-feira (17), na Bélgica, os jurados consideraram o pedófilo belga Marc Dutroux, de 47 anos, culpado por liderar uma quadrilha que seqüestrou e estuprou seis garotas de oito a 19 anos, entre junho de 1995 e agosto de 1996, quatro das quais morreram. Ele também é responsabilizado diretamente pela morte de duas garotas e de seu cúmplice Bernard Weinstein. A sentença, que pode ser de prisão perpétua para Dutroux, será anunciada na próxima semana.

O réu não foi considerado diretamente culpado pela morte de Julie e Melissa, ambas então com oito anos, mas teria participado do rapto de ambas, em 1995. A responsabilidade por estas duas mortes foi atribuída à ex-esposa de Dutroux, Michelle Martin, que deixou de alimentar as meninas. Embora ela não tenha sido considerada culpada por homicídio, está sujeita a pena de até 35 anos de prisão. Também Michel Lelièvre foi considerado cúmplice nos seqüestros.

Juízes podem ter criado nova polêmica

Quanto ao cúmplice Michel Nihoul, os jurados não haviam chegado a uma conclusão sobre sua culpa na chefia de uma quadrilha de pedófilos, conforme as acusações de Dutroux. O impasse foi resolvido pelos três juízes do tribunal, que o absolveram da participação nos raptos.

Nihoul, no entanto, ainda não escapou de todo da Justiça, pois ainda pode ser acusado de cúmplice dos seqüestradores. A decisão poderá criar uma nova polêmica no país, já que 70% dos belgas acreditam não só na existência da rede de pedofilia, como também no envolvimento de personalidades do alto escalão da política e da Justiça no caso.

Crimes comoveram a Bélgica

Para chegarem ao veredicto, os 12 jurados, oito dos quais mulheres, responderam com "sim" ou "não" a um questionário de 243 perguntas. Isolados por um forte esquema policial, eles estavam reunidos desde segunda-feira numa ex-caserna nas proximidades de Arlon, no sudeste da Bélgica.

Os crimes horrorizaram a Bélgica e os países vizinhos. Após oito anos de investigações, o julgamento de Dutroux, de sua ex-mulher, Michelle Martin, e de Michel Lelièvre e Michel Nihoul, considerados co-autores e cúmplices, havia começado no dia 1º de março.

Dutroux, que tem antecedentes penais por seqüestro e estupro, contesta as acusações de assassinato. Ele confessou apenas ter participado do rapto e estupro de Sabine Dardenne e Laetitia Delhez, que foram resgatadas com vida.