1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Pedágio via satélite "made in Germany"

Após superar enormes dificuldades de desenvolvimento e implementação técnica, o novo sistema alemão de pedágio via satélite promete se tornar um sucesso de exportação.

default

Pedágio é apenas uma das múltiplas funções do sistema via satélite

"A Alemanha conta com o sistema de pedágio mais moderno e inovador do mundo", não cansa de reiterar o ministro alemão dos Transportes, Manfred Stolpe. Sua pasta, sua gestão e sua pessoa foram alvo de severas críticas durante um ano e meio, por causa dos repetidos fracassos em introduzir a técnica que controla via satélite o movimento dos veículos nas estradas alemãs.

Manfred Stolpe zu LKW-Maut

Manfred Stolpe, ministro alemão dos Transportes

Pouco mais de uma semana após a implementação, o novo sistema foi aceito pelos usuários sem muita resistência, e está demonstrando grande eficiência. Atualmente, apenas os caminhões com mais de 12 toneladas são obrigados a pagar pedágio na Alemanha. Tudo indica que isso possa ser estendido para os veículos de pequeno porte num futuro não muito distante.

Alta arrecadação

Calcula-se que 1,4 milhão de veículos comerciais de grande porte circula pelas estradas alemãs. Destes, 500 mil provenientes de outros países estavam isentos de pagar taxas pelo uso das estradas.

Até o início deste ano, apenas os caminhoneiros residentes na Alemanha arcavam com os custos de construção e manutenção das rodovias públicas, com o pagamento de taxas rodoviárias. Agora, estes custos serão divididos entre todos os usuários, através do sistema de pedágio.

O ministro dos Transportes calcula que a arrecadação de pedágios chegue a 2,4 bilhões de euros em 2005. Em outros países, o sistema de pedágio via satélite também pode se converter em um verdadeiro "sucesso de vendas". Sobretudo porque o sistema poder ser aprimorado, alterado, ampliado e adaptado a outras necessidades.

Letzte Vorbereitungen für Lkw-Maut

Funcionário da Toll Collect limpa terminal de pedágio na fronteira com a República Tcheca, antes da introdução dos novo sistema.

O conglomerado alemão Toll Collect, encarregado de desenvolver a revolucionária tecnologia, também coopera com a empresa francesa Cofiroute, que tem "experiências valiosas na implementação de sistemas de pedágio nos Estados Unidos, no Chile, no Canadá e na Austrália", declarou Alain Estiot, engenheiro da Cofiroute e membro da diretoria da Toll Collect.

Empresas lucram

A introdução do novo sistema de pedágio gerou cerca de cinco mil empregos na Alemanha. Diversos centros de telefonia assumem o trabalho de cobrança de usuários que não possuam unidades portáteis de registro.

Uma dessas empresas, Euromaut, sediada em Bonn, contacta as transportadoras ou os motoristas através de celular, informando sobre as modalidades de pagamento e trocando outros dados via "torpedo" SMS. A firma MaXvis Mautdispo, de Zeuthen, recebe os registros de acesso às rodovias através da internet.

O novo sistema de pedágio via satélite beneficia não apenas os cofres do Estado. As próprias empresas de transporte, inicialmente contrárias ao sistema, também têm vantagens. Num futuro não muito distante, a nova técnica lhes permitirá dirigir melhor sua frota, distribuir suas capacidades com mais eficiência, melhorar a prestação de serviços, reduzir trajetos desnecessários e economizar despesas. Também será possível diagnosticar e consertar panes por controle remoto.

Contra carros roubados

Lkw-Maut vor Start

Novo sistema agiliza tráfego nas rodovias

Por fim, a segurança também é um aspecto fundamental, pois o sistema via satélite permite a localização de carros roubados com grande facilidade. Esta vantagem é tão decisiva, que algumas empresas cogitam construir a partir de agora apenas carros com unidades integradas de controle via satélite.

Especialistas de 40 países já anunciaram sua visita à Alemanha para se inteirar do novo sistema de pedágio. A República Tcheca pretende introduzir um sistema semelhante em suas rodovias a partir do fim deste ano.

Leia mais