1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Pechincha desenfreada sai caro

Em nenhum país da Europa as batalhas de preços são tão exasperadas como na Alemanha. Os alemães amam os preços, os britânicos valorizam mais serviços, enquanto suíços e franceses preferem qualidade.

default

Faixa promete dia de preços baixos

As primeiras batalhas de preços do ano novo estão atraindo uma quantidade enorme de pessoas com vontade desenfreada de poupar e consumir ao mesmo tempo. Entre as ações de venda do Natal e a última liquidação de inverno, que acontece normalmente no final de janeiro, muitos comerciantes estão atraindo fregueses novamente com redução drástica de preços.

As liquidações fora de época visam principalmente os pechincheiros inveterados, que já se tornaram uma figura social típica na Alemanha. Os especialistas já prevêem, porém, um fim próximo dessas campanhas febris, porque o preço delas está ficando muito alto.

Redes de ofertas vantajosas - O analista de mercado Wolfgang Twardawa aponta várias causas, destacando-se entre elas a quantidade enorme de filiais das redes de supermercados baratos como a Lidl e Aldi, bem como da drogaria Schlecker, que oferecem melhores condições ao freguês. Elas têm ofertas cada vez mais vantajosas de equipamentos eletrônicos ou cosméticos.

Além do mais, a maioria das pessoas parece acreditar que as características de tais ofertas são semelhantes às dos concorrentes no mercado especializado. De forma que, como destaca a Fundação Warentest, que avalia qualidade e preços de produtos e serviços na Alemanha, muita gente se pergunta "por que dar tanto valor às marcas Made in Germany", que significam sinônimo de qualidade.

Winterschlußverkauf

Até 70% nas antigas liquidações finais de inverno ou verão

O pesquisador de mercado do renomado Instituto Zürcher Gottlieb Duttweler, Daniel Staib, tem uma explicação para isso: "A Alemanha é pioneira no consumismo à base de preços, negligenciando a qualidade". Em sua êxtase de compras, o pechincheiro típico alemão calcula à moda antiga, fazendo comparação de preços através de anúncios publicitários, ou, de forma moderna, nas máquinas de buscas de preços na internet. Livros como "Super Pechincheiro" ou "Venda a preço de fábrica" são também muito apreciados no país.

O barato sai caro - Os comerciantes apostam na irracionalidade dos consumidores, porque estes não levam em consideração todos os custos, atesta o pesquisador Staib do alto de sua experiência profissional. A caça de preços baixos leva muito tempo e, com freqüência, custa mais dinheiro com gasolina ou despesa com transporte público do que a quantia poupada com a pechincha.

A revista econômica Brand Eins teme que a aposta exacerbada de parte do comércio na mania desenfreada de pechinchar dos alemães gere uma grande desorientação e uma crise de confiança. "Existe uma insegurança crescente, em virtude da quantidade grande demais de ações de descontos, porque não existe mais preço normal", constata o pesquisador Tawrdawa. Por isso mesmo, ele e outros especialistas prevêem um fim próximo das constantes liquidações.

Apesar da batalha de preços, as empresas de ofertas baratas de gêneros alimentícios, cosméticos ou roupas de gosto e qualidade duvidosos abrem cada vez mais filiais, fazendo o mercado especializado encolher dramaticamente. Por toda parte vêem-se lojas vazias, mesmo aos sábados, dia em que os alemães normalmente iam às compras, num frenesi que parecia que estavam se preparando para entrar numa arca de Noé.

Este ano acabou uma tradição que remontava aos tempos do Império: uma lei federal acabou com as liquidações finais de inverno e de verão, que atraíam milhões de pechincheiros em todo o país. Era uma verdadeira batalha de compras. Para adquirir os melhores produtos com preços mais baixos, nas primeiras horas de liquidação, levava vantagem quem mais sabia usar os cotovelos nas lojas abarrotadas. Os preços eram reduzidos em até 70%.

Leia mais