1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Paulistas protestam contra Dilma, mas sem consenso

Insatisfação com governo foi ponto comum, mas os milhares de manifestantes que foram à Avenida Paulista mostraram diferentes demandas. Muitos pediram impeachment, e uma minoria defendeu o golpe. Clima festivo imperou.

Parecia Copa do Mundo, mas algo muito mais sério estava em jogo neste domingo (15/03), quando manifestantes vestidos de verde e amarelo tomaram a Avenida Paulista.

Unidos pela insatisfação com o governo, centenas de milhares de pessoas se reuniram na principal via de São Paulo para protestar. Não havia, no entanto, uma agenda comum entre os manifestantes – ainda que a maioria quisesse a saída da presidente Dilma Rousseff e do PT do poder.

"Sou contra a corrupção e quero o impeachment, caso haja provas contra a presidente. O Collor saiu por muito menos", afirma Melchiades Freitas, de 89 anos. Apesar da forte chuva, ela garantiu que seguiria na manifestação "até o final".

De acordo com a PM, um milhão de manifestantes estiveram na Avenida Paulista – 210 mil segundo o Datafolha. Entre elas as adolescentes Nicolle Souza (17), Rebeca Fonseca (14) e Julia Albuquerque (17), que foram ao protesto acompanhadas dos pais, com os rostos pintados com as cores da bandeira.

"Queremos impeachment de todo mundo porque queremos um futuro melhor, e isso vai parar a corrupção", dizem. Indagadas sobre Michel Temer (PMDB), entretanto, as adolescentes aparentaram não conhecer o vice-presidente.

Mas nem todos os presentes eram favoráveis ao impeachment. O médico Cristiano Gomes, de 41 anos, veio de São Caetano do Sul, na região metropolitana de São Paulo, junto com 15 familiares, inclusive o filho, de 6 anos. "Vim para protestar contra a corrupção. Para ter impeachment é preciso uma base legal e ainda não há provas contra ela", afirma.

Golpe militar

Entre os cartazes e faixas na manifestação, apenas uma minoria pedia uma intervenção militar. Mas, quando indagadas sobre a possibilidade de um golpe, das 12 pessoas entrevistadas pela DW Brasil, metade não descartou a opção.

Brasilien Antiregierungsproteste in Sao Paulo

Paulista teve um millhão de manifestantes, segundo PM

Os irmãos Cátia (32) e Carlos Eduardo Muniz (34), moradores de Penha e de São Miguel, na Zona Leste, acreditam que uma intervenção militar seria válida "em último caso".

Carlos, que é negro e trabalha como analista de sistemas, diz que não só "brancos ricos" querem o impeachment da Dilma. "Isso é mentira do PT", afirma.

Tatuados da cabeça aos pés, com alargadores, piercings e cabelos pintados de rosa e azul, os amigos Andréia Borgoni (30) e Rafael Costabile (22) concordariam com uma intervenção militar. "Agora não queremos. Mas não vai ser tão fácil tirar a Dilma como foi com o Collor. O PT não vai aceitar", diz ela.

Entretanto, havia manifestantes que chegavam a ficar ofendidos com a pergunta sobre um golpe. "É um absurdo, não tenho nem o que falar sobre isso. Eu vim aqui defender a democracia e a liberdade", respondeu Cristiano Gomes.

Pendurada na frente de dois caminhões, que estacionaram próximos à manifestação, a faixa com os dizeres "intervenção militar já" se tornou um ponto de encontro de simpatizantes da ideia. Dezenas de pessoas se revezavam para posar para fotos e fazer selfies com o cartaz ao fundo.

Brasilien Antiregierungsproteste

Manifestantes pareciam vestidos para jogo de Copa

Os manifestantes eram atraídos para o local, na Rua da Consolação, pelas altas buzinas e pelo roncar dos motores de cerca de 60 caminhões estacionados na via. Os caminhoneiros formaram uma fila, bloqueando a rua.

Segundo Autieres de Oliveira, um dos organizadores da manifestação dos caminhoneiros, o grupo não é favorável ao impeachment e muito menos ao golpe. "Colocaram essa faixa aí na frente, mas não fomos nós", explica.

Oliveira, que participou da recente paralisação de caminhoneiros, diz que o grupo protestava contra o alto preço dos combustíveis e pedágios.

Clima festivo e panelaço

O clima de comemoração começou já dentro do metrô, a caminho do protesto. Cada vez que o trem parava em uma estação da linha verde do metrô, mais pessoas vestidas de verde e amarelo se juntavam à multidão, e eram aplaudidas com entusiasmo. Nos vagões, os manifestantes puxavam coros de "fora PT" e "eu sou brasileiro, com muito orgulho, com muito amor".

Na Avenida Paulista, muitos ambulantes vendiam cerveja e alimentos, que rapidamente se esgotavam. Os manifestantes, com os rostos pintados, cornetas, apitos e adereços nas cores da bandeira do Brasil, pareciam vestidos para assistir a um jogo da Copa do Mundo, não fossem as faixas com conteúdo político.

"Comunismo não, salve a família brasileira", se lia em um cartaz, colado na saída da estação de metrô Brigadeiro.

O protesto, que começou por volta das 14h, seguiu até o início da noite. Por volta das 19h, a Avenida Paulista havia sido liberada para o trânsito. Cerca de uma hora depois, entretanto, o protesto continuou, desta vez das varandas e janelas de bairros de classe média alta da cidade.

Em São Paulo, bairros como Itaim Bibi, Perdizes, Pinheiros, Vila Madalena, Morumbi, Vila Mariana, Higienópolis e Jardins registraram um panelaço, enquanto as declarações dos ministros da Justiça, José Eduardo Cardozo, e Miguel Rossetto (Secretaria-Geral da Presidência) eram transmitidas ao vivo pela televisão.

O governo federal foi alvo de um protesto similar na semana passada, quando a presidente fez um pronunciamento na televisão.

Leia mais