Partidos islâmicos dominam primeiro turno das eleições egípcias | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 03.12.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Partidos islâmicos dominam primeiro turno das eleições egípcias

Comissão eleitoral anuncia índice de participação elevado nas eleições. Nenhuma mulher foi eleita no primeiro turno. Liberais assumem falhas durante a campanha.

default

Primeiro turno indica vitória de islâmicos

As primeiras eleições do Egito após a queda do presidente Hosni Mubarak tiveram participação de 62% da população. De acordo com a Comissão Eleitoral do país, o índice supera o verificado nas eleições realizadas durante o regime de Mubarak. "É a maior participação desde a época dos faraós", brincou o presidente da Comissão, Abdul Moes Ibrahim.

Mais de oito milhões de egípcios votaram no primeiro turno das eleições parlamentares. O processo eleitoral egípcio ocorrerá em três diferentes estágios durante seis semanas. A primeira fase, concluída nesta semana, define 30% dos 498 assentos na Assembléia do Povo, a câmara baixa do legislativo do país. Os próximos turnos das legislativas egípcias estão previstos para 14 de dezembro e 3 de janeiro.

Os resultados deveriam ter sido anunciados já na quarta-feira (30/11), mas foram adiados várias vezes. Poucos candidatos conseguiram se eleger já no primeiro turno. De acordo com o jornal Al-Masri Al-Yum, nenhuma mulher conseguiu se eleger nesta etapa.

Domínio dos partidos islâmicos

Os resultados parciais já mostram uma larga vantagem aos partidos islâmicos, inclusive salafistas, em relação aos partidos seculares. O Partido Liberdade e Justiça, fundado pela Aliança Islâmica Moderada, espera conseguir mais de 45% dos votos.

Wahlen in Ägypten

Participação de eleitores foi considerada grande

A aliança é oriunda da chamada Irmandade Muçulmana, que foi banida durante o regime de Mubarak. A corrente política estabeleceu base social ampla durante décadas e agora deve ter grande apoio nas urnas. Em regiões importantes como Porto Said e no distrito Sul do Mar Vermelho, o partido já venceu com 32,5% e 30% do votos respectivamente.

Os fundamentalistas islâmicos da Al Nour prevêem também considerável aceitação da população, podendo obter, segunod os de 20% a 30% dos votos. A Al Nour considera a democracia subordinada ao Alcorão. O partido defende o fim do consumo de álcool e acredita que mulheres e cristãos não deveriam exercer cargos públicos.

"Na terra do Islã, não posso deixar as pessoas decidirem o que é proibido e o que é permitido. É Deus quem dá as respostas sobre o que está certo e o que está errado", disse o prota-voz do partido Yousseri Hamad.

Liberais em baixa

Por outro lado, o bloco liberal egípcio espera atrair um quinto dos votos. O movimento da juventude, que incentivou a ocupação da Praça Tahrir em janeiro e fevereiro, mostra pouco impacto nas eleições até o momento. O partido liberal mais velho do Egito, Al-Wafd, prometeu, neste sábado (03/12), reação imediata para salvar a imagem do partido após a performance ruim do primeiro turno.

Wahlen in Ägypten

Propaganda será intensificada

O partido venceu 13 dos 168 assentos disputados no primeiro turno. O líder do Al-Wafd, al-Sayyed al-Badawi, atribuiu o resultado negativo à campanha insuficiente e a rivalidades dentro do partido. "A publicidade na mídia será intensificada para os candidatos do Al-Wafd nos segundo e terceiro turnos das eleições", disse al-Badawi.

Outro segmento que se preocupa com os resultados apresentados por estas eleições são os cristãos coptas, que compõe 9% da população egípcia. O grupo teme ser discriminado se os partidos islamitas vencerem as eleições. O Conselho Supremo das Forças Aramadas, a junta militar que governa o Egito atualmente, anunciou que a transição para um governo civil deve ser realizada em meados do ano que vem.

MP/rtr/dpa/afp/ap
Revisão: Soraia Vilela