1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Partidos alemães maiores rejeitam grande coalizão

Depois do Partido Social Democrático (SPD), governista, as legendas de centro-direita de oposição - União Democrata-Cristã (CDU) e União Social-Cristã (CSU) - também rejeitaram uma grande coalizão de governo.

default

Gerhard Schröder: proposta de grande coalizão foi um escorregão de Stolpe

A proposta foi feita pelo governador de Brandemburgo, Manfred Stolpe (SPD), em plena campanha eleitoral, com o argumento de que os programas do seu partido e das legendas irmãs CDU/CSU não são muito diferentes. O chefe de governo, Schröder, mostrou-se surpreso, atribuiu a proposta do correligionário a "um escorregão com a imprensa" e destacou que continua valendo o que foi decidido na convenção nacional do SPD no dia anterior (2/6)).

O maior partido governista (SPD) havia se apresentado na convenção muito resoluto, combativo e confiante de que vai manter-se no poder, depois da eleição do novo Parlamento em 22 de setembro, em coalizão com o Partido Verde. Mas todas as pesquisas sobre intenção de voto prevêem vantagem da CDU e CSU sobre a coligação.

Os convencionais social-democratas haviam aprovado no domingo o programa eleitoral, uma espécie de metas do governo para depois das eleições parlamentares que vão determinar a nova constelação de poder. Schröder rejeitou a idéia de grande coalizão dizendo que vai prosseguir a aliança com o Partido Verde. O seu concorrente na disputa pela chefia do governo, o candidato da CDU/CSU, Edmund Stoiber, também rejeitou: "Eu não quero grande coalizão, mas uma nova política para mais crescimento econômico, mais empregos e menos encargos para os cidadãos", disse o candidato e governador da Baviera.

A presidenta da CDU, Angela Merkel, comentou em tom jocoso: "É triste que a meta eleitoral de um governador tão experiente como Stolpe reduza tanto o seu próprio partido, mas talvez ele reconheça a melhor a realidade". E acrescentou: "Para nós a meta eleitoral não é uma grande coalizão, mas conquistar maioria na eleição para governar".

O Partido Liberal (FDP), que tem como meta obter 18% dos votos e com isso participar de uma coalizão de governo, está muito ocupado com uma polêmica com o Conselho Central dos Judeus sobre o anti-semitismo e consigo próprio. O seu presidente, Guido Westerwelle, disse que "Gerhard Schröder não fechou a porta para uma coalizão com o FDP porque sabe que a do SPD com o Partido Verde não pode mais conseguir uma maioria no Parlamento". Westerwelle criticou o SPD por causa do imposto ecológico sobre combustíveis e a manutenção do serviço militar obrigatório. Ele reclamou também da falta de um programa para ampliar o Estado social.

Leia mais