1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Partido Social Democrático aumenta votação em cidades na Baviera

O SPD de Gerhard Schröder manteve ou conquistou importantes prefeituras na Baviera, o estado do adversário de Schröder nas eleições parlamentares deste ano, Edmund Stoiber.

default

O governador Edmund Stoiber perdeu terreno na Baviera

As eleições municipais na Baviera não servem como "teste" para o que possa acontecer no plano federal, uma vez que a União Social Cristã (CSU) é o partido dominante no estado do sul da Alemanha há décadas. Seu presidente é o governador Edmund Stoiber, o desafiante de Gerhard Schröder nas eleições parlamentares deste ano. No entanto, o resultado das urnas em algumas cidades serviram para "arranhar" a imagem do político bávaro.

Na capital do estado, Munique, o prefeito Christian Ude, do Partido Social Democrático (SPD) de Schröder não somente conseguiu se reeleger, como subiu 3,3% na preferência do eleitorado, obtendo 64,5% dos votos. Enquanto a CSU responsabiliza seus adeptos pela falta de motivação no pleito, o SPD vê confirmada sua teoria de que a candidatura de Stoiber a chanceler federal polariza o eleitorado, levando os social-democratas a uma corrida às urnas.

A derrota que doeu - Como se não bastasse ter a capital nas mãos da social-democracia, o candidato do SPD também foi reeleito prefeito de Wolftratshausen, cidade onde nasceu o governador Edmund Stoiber.

Mas maior peso ainda teve a boa votação dos social-democratas em duas importantes cidades do estado: Nurembergue e Fürth. O candidato do SPD, Ulrich Maly, obteve 49,2% dos votos em Nurembergue, e por pouco não consegue conquistar no primeiro turno a prefeitura, tradicionalmente nas mãos da CSU. Maly vai ao segundo confiante da vitória. Já em Fürth, Thomas Jung recuperou a prefeitura que o SPD perdera há seis anos, e logo no primeiro turno.

O consolo - Somente a folgada vantagem de Sigfried Balleis em Erlangen serviu um pouco de consolo para a União Social Cristã, neste "domingo negro" de eleições – negro é a cor do partido – em que os "vermelhos" (social-democratas) recuperaram terreno.