1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Partido Pirata modifica forma de se fazer política na Alemanha

Com a promessa de trazer mais transparência, a legenda ganhou eleições em vários estados da Alemanha. Durante convenção partidária do fim de semana, piratas debatem o que foi alcançado até o momento.

A convenção nacional do Partido Pirata da Alemanha começa nesta sexta-feira (10/05). A facção que promete transparência foi fundada em 2006, e desde então conseguiu, em seis eleições, conquistar assentos nos parlamentos de quatro estados.

Segundo cientistas políticos do país, o sucesso dos piratas é ditado pelo desejo da população de que a política não seja mais feita "a portas fechadas" por políticos profissionais. Os cidadãos não querem apenas poder votar a cada quatro anos, mas sim participar constantemente das decisões políticas, assim como poder compreendê-las melhor. "Transparência" é a palavra-chave dos piratas.

O enorme interesse da população pelas ambições do Pirata, no entanto, desencadeou uma verdadeira corrida dos partidos estabelecidos por mais participação popular e transparência. Súbito, a chanceler federal alemã, Angela Merkel, da conservadora União Democrata Cristã (CDU) propôs um "diálogo do futuro", em que a população deveria dar opiniões sobre o futuro da Alemanha. O site do projeto recebeu 1,7 milhão de visitantes. O oposicionista Partido Social Democrata (SPD), por sua vez, promoveu mais de 350 vezes um "diálogo de cidadania". A pergunta sobre o que deveria melhorar no país recebeu cerca de 40 mil sugestões de cidadãos interessados.

Transparência na prática

Os integrantes do Partido Pirata da Renânia do Norte-Vestfália observam divertidos, mas também com orgulho, os esforços dos outros partidos em rapidamente se apoderar de seu tema de sucesso e aplicá-lo em suas campanhas. "Parece que nós colocamos o dedo na ferida", avalia o líder da bancada dos piratas no estado, Joachim Paul.

Piraten-NRW

Joachim Paul é líder da bancada dos piratas na Renânia do Norte-Vestfália

Ele e seus companheiros de legenda acumularam muita experiência sobre como aplicar na prática a "transparência vivida" que propagam. Ao que tudo indica, trata-se de um processo lento. "Ainda há muito nepotismo, principalmente nas cidades e comunidades", explica Lukas Lamla, um dos suplentes de Paul: no espaço de um ano, não foi possível mudar muita coisa. Ainda assim, o partido procura estimular uma maior transparência dentro do parlamento estadual.

"Durante muito tempo, várias sessões das comissões e audiências não eram registradas em ata", exemplifica Lamla. Desse modo, muitas vezes não era possível compreender como se chegou a determinada decisão, nem determinar a que fatos ou declarações ela estaria relacionada. Agora as atas são preenchidas, e a administração do parlamento renano trabalha para aperfeiçoar a tecnologia que permite transmitir as sessões plenárias diretamente na internet.

Medo de transparência demasiada

Contudo, os membros do Partido Pirata creem que, muitas vezes, seus esforços são abertamente freados. "Por exemplo, o Partido Liberal Democrático [FDP, da coalizão governamental] se recusou a participar de uma negociação se ela fosse transmitida ao vivo pela internet", conta Patrick Schiffer, líder dos piratas na Renânia do Norte-Vestfália.

"Confusão e desconforto demais": assim o diretor-geral estadual do Partido Pirata diagnostica a causa da resistência dos adversários da transparência. "É claro que é mais fácil para um político se os cidadãos não interferem nos seus planos."

Piratenpartei Wahlkampfstand

Melanie Kalkowski é candidata pirata a chanceler federal

No conflito sobre o orçamento do estado, por exemplo, durante um bom tempo os partidos estabelecidos se opuseram a que se mandasse traduzir em gráficos compreensíveis as enxurradas de números fornecidas pelos encarregados do planejamento orçamentário. "Caro demais", argumentavam. Mas os piratas conseguiram impor a sua ideia. "Pela primeira vez, os cidadãos puderam perceber as dimensões de um orçamento planejado", e as reações foram positivas, relata o também vice-chefe de bancada Frank Herrmann.

Contudo, a discussão sobre até onde deve ir a transparência ocorre também dentro do próprio partido. Os mais radicais exigem que para os políticos não haja mais nenhuma possibilidade de ação privada: todas as negociações e sessões devem ser transmitidas ao vivo pela internet. Segundo o pirata Jens Ballerstädt, essas vozes abarcam cerca de 10% do partido. Porém o que a maioria dos piratas defende é uma postura moderada. Importante é as conversas confidenciais serem posteriormente divulgadas, a fim de garantir a transparência necessária.

Inimigos nas próprias fileiras

Para a candidata do partido à chefia do governo alemão, Melanie Kalkowski, a questão é clara. "Transparência não significa somente ter acesso aos dados, mas também poder entendê-los." Portanto, no interesse dos cidadãos, os dados devem ser avaliados e processados.

Kalkowski dá um exemplo na política nacional: não adianta muita coisa se os deputados federais simplesmente declaram a soma de suas rendas adicionais. "Deve-se declarar exatamente quem paga quanto a quais parlamentares", reivindica a candidata. Ela pretende igualmente se engajar para que os mais de 5 mil lobistas ativos em Berlim sejam cadastrados.

Piratenpartei Programmparteitag Bochum 24.11.2012

Transparência é um problema até mesmo dentro do partido

Recentemente, os piratas tiveram que constatar em seus próprios quadros quão difícil é lidar com a transparência na política. Justamente na Renânia do Norte-Vestfália, o escândalo em torno do envio atrasado do convite para candidatura nas eleições parlamentares nacionais acarretou a renúncia de diversos membros de sua diretoria.

Um integrante do Partido Pirata descreveu o caso em seu blog como "perjúrio dos próprios ideais", resumindo, assim, o que muitos de seus correligionários pensaram e tiveram que admitir. Diversas querelas pessoais também fizeram com que o partido caísse na simpatia do eleitorado. Segundo pesquisas de intenção de voto relativas às eleições nacionais em setembro, o partido conta com o apoio de 3% dos eleitores. No entanto, é necessário um mínimo de 5%, para um partido entrar para o Bundestag, a câmara baixa do parlamento, onde, até agora, os piratas não possuem representantes.

Leia mais