1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Partido no governo vence eleições na África do Sul

Congresso Nacional Africano angaria mais de 60% dos votos, assegurando a reeleição do presidente Jacob Zuma. Oposição ganha espaço em meio a escândalos de corrupção.

Apesar dos escândalos envolvendo suas lideranças e dos problemas econômicos que o país atravessa, o Congresso Nacional Africano (CNA), há 20 anos no poder, conquistou ampla maioria nas eleições na África do Sul.

Com 95% de urnas apuradas nesta sexta-feira (09/05), a agremiação havia angariado 62,5% dos votos, garantindo assim a maioria parlamentar que assegura o segundo mandato de cinco anos do presidente Jacob Zuma, apesar das acusações de corrupção que pesam contra ele.

O porta-voz do CNA, Jackson Mthembu, considerou que o partido recebeu dos eleitores um "mandato impressionante". A agremiação, de 102 anos de existência, era o partido do ex-presidente Nelson Mandela, morto em dezembro de 2013.

Apesar de ter conquistado uma expressiva maioria, o CNA contabilizou uma perda significativa em relação ao pleito anterior, quando havia conquistado 66% dos votos, ficando ainda um pouco abaixo dos dois terços necessários para a aprovação de emendas constitucionais no parlamento.

Avanço da oposição

O maior partido de oposição, a Aliança Democrática, conseguiu apoio significativo dos eleitores, principalmente nas áreas urbanas, e angariou 22% dos votos, em contraste com os 17% obtidos na eleição anterior, em 2009.

A recém-formada agremiação de esquerda Economic Freedom Fighters ("Lutadores pela Liberdade Econômica", em tradução livre), do candidato populista Julius Malema, conquistou surpreendentes 6,1% dos votos apurados.

Ambos os partidos de oposição se beneficiaram dos escândalos envolvendo o presidente Zuma e do descontentamento de uma parcela significativa da população com o CNA, que governa o país desde o fim do apartheid, em 1994.

O partido governista também é alvo de críticas em razão da taxa de desemprego de 24%, da insatisfação com os serviços públicos e dos altos índices de pobreza.

RC/dpa/afp

Leia mais