1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Partido de Suu Kyi indica candidatos à presidência em Mianmar

Liga Nacional pela Democracia, da líder laureada com o Nobel da Paz, deverá eleger próximo presidente após conquistar maioria nas duas casa do Parlamento em novembro do ano passado. Suu Kyi não é elegível.

Htin Kyaw (esq.) foi colega de Suu Kyi (dir.) na escola e na universidade

Htin Kyaw (esq.) foi colega de Suu Kyi (dir.) na escola e na universidade

A Liga Nacional pela Democracia (LND), partido da Nobel da Paz Aung San Suu Kyi, que

conquistou a maioria absoluta nas duas casas do Parlamento de Mianmar nas eleições de novembro de 2015

, escolheu nesta quinta-feira (10/03) dois dos três candidatos que irão concorrer à presidência do país.

Htin Kyaw, de 70 anos, recebeu a indicação pela câmara baixa do Parlamento. Filho de um poeta proeminente, ele foi colega de classe de Suu Kyi nos tempos de escola e na Universidade de Oxford, e trabalhou como seu motorista antes de se tornar um dos seus principais conselheiros.

O outro candidato da LND, apontado pela câmara alta do Parlamento, é Henry Van Thio, membro ma minoria étnica chin.

Uma autoridade do país informou que novas candidaturas não poderão ser apresentadas até meados deste mês. Suu Kyi foi proibida de concorrer ao cargo em razão de seus filhos possuírem passaportes britânicos, e não birmaneses, o que, segundo a Constituição, impede a candidatura.

A líder de 70 anos reafirmou que deseja um acordo que possibilite sua candidatura com os militares, prestes a deixar o poder, mas, até o momento, as tentativas fracassaram.

O Partido para a União, Solidariedade e Desenvolvimento (USDP), apoiado pelos militares, deverá indicar um terceiro candidato, cujas chances de vitória são praticamente nulas devido à superioridade numérica da LND.

No passado, Suu Kyi afirmou que poderia governar o país como uma espécie de poder acima do presidente. A líder ficou 15 anos sob prisão domiciliar após o LND vencer as eleições em 1990, resultado que jamais foi reconhecido pela junta militar que governa o país.

RC/afp/ap/dpa/rtr

Leia mais