1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Partido de Schröder protagoniza escândalo de donativos

Diretório regional do SPD em Colônia escondeu origem de doação e está sendo investigado sob suspeita de recebimento de propina.

default

Helmut Kohl no ostracismo por causa de escândalo de doações.

O Partido Social Democrático da Alemanha (SPD), presidido pelo chanceler federal Gerhard Schröder, está ameaçado de pagar uma multa de no mínimo 350.000 euros, porque o diretório regional de Colônia, no estado da Renânia do Norte-Vestfália, ocultou a origem de uma doação de 340 mil euros. O Ministério Público está investigando se o dinheiro foi propina na construção de um centro de incineração de lixo.

Em conseqüência do escândalo, o responsável pela transferência da doação ao SPD, Norbert Rüther, já renunciou a todos os seus cargos e anunciou a sua retirada da política, na segunda-feira (05). A tesoureira do SPD, Inge-Wettig-Danielmeier, admitiu que o partido terá de pagar uma multa de no mínimo 350 mil. O diretório nacional enviou dois inspetores de Berlim para examinar as contas do partido em Colônia. O relatório deverá ficar pronto nesta quarta-feira (06).

A União Democrata-Cristã (CDU), partido do ex-chanceler federal Helmut Kohl, aproveitou para atacar o SPD e anunciou que vai investigar as práticas dos social-democratas de Colônia, na Comissão Parlamentar de Inquérito do Parlamento em Berlim. "Afinal de contas, não se trata de doação ilegal, mas de propina", argumentou o representante da CDU na CPI, deputado Andreas Schmidt.

A CPI dominada pelo SPD e o Partido Verde apura se o governo Kohl tomou decisões influenciado por doações ilegais à CDU e propinas a membros do governo. Os dois partidos governistas criaram a comissão depois que o próprio Kohl admitiu ter depositado dois milhões de marcos de doações anônimas em contas secretas na Suíça, quando presidia seu partido e chefiava o governo. Até hoje ele não revelou os nomes dos doadores. Desde o escândalo, o político que conduziu o processo de reunificação da Alemanha amarga no ostracismo.