1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

Partido de Peña Nieto vence legislativas no México

Apuração aponta que coalizão governista garantirá controle da Câmara dos Deputados, apesar das denúncias de corrupção e do avanço do crime organizado. Campanha foi marcada por atos de violência.

Resultados preliminares das apurações no México indicam que a coalizão governista, composta pelo Partido Revolucionário Institucional (PRI) e seus aliados, deverá manter a maioria na Câmara dos Deputados após as

eleições

de domingo (07/06).

Acusações de corrupção, além da atual crise econômica e da violência promovida pelo crime organizado, ameaçavam o PRI, do presidente Enrique Peña Nieto. A legenda, porém, deverá obter entre 196 e 203 cadeiras na Câmara, enquanto seus aliados do Partido Verde devem eleger entre 41 e 48 deputados.

O Partido Nova Aliança, que também compõe a base governista, deverá conquistar entre nove e 12 vagas, segundo as primeiras estimativas das instituições eleitorais do país. Dessa forma, os três partidos somariam entre 246 e 263 parlamentares na câmara baixa do Congresso. Atualmente, a coalizão possui 251 cadeiras.

O PAN, o maior partido oposicionista e a segunda força política do país, deverá conquistar entre 105 e 116 vagas na Câmara, enquanto espera-se que o esquerdista Partido da Revolução Democrática (PRD), também de oposição ao governo, eleja entre 51 e 60 deputados.

A popularidade de Peña Nieto, que havia lançado uma série de reformas estruturais no México, esteve ameaçada após seu governo sofrer fortes críticas por não ter conseguido erradicar a corrupção ou combater efetivamente a onda de violência promovida pelo crime organizado no país.

O massacre de 43 estudantes

em setembro de 2014, promovido por membros dos cartéis de tráficos de drogas em conluio com polícias municipais, abalou a credibilidade do governo. Acusações de conflitos de interesse que envolveram o presidente, sua esposa e o ministro das Finanças também ameaçam retirar votos da coalizão governista.

Campanha marcada pela violência

As eleições de domingo, que elegeram nove governadores e mais de 1.200 cargos estaduais e municipais, foram marcadas por distúrbios nos estados do sul do país, que estiveram sob forte vigilância por parte das forças de segurança federais.

A campanha eleitoral de 2015 foi uma das mais conturbadas das últimas décadas, com o assassinato de 16 candidatos e políticos. Dezenas de postulantes abandonaram a corrida com medo de que pudessem sofrer o mesmo destino, supostamente ameaçados pelos cartéis de traficantes que disputam territórios no país.

Antes da divulgação dos resultados preliminares, Peña Nieto declarou que "a democracia avança" no país, e reconheceu o comprometimento dos mexicanos que compareceram às urnas, apesar de alguns "atos violentos".

RC/efe/rtr

Leia mais