Partido de Merkel sofre revés em eleição estadual | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 04.09.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Partido de Merkel sofre revés em eleição estadual

Populistas de direita se tornam segunda força em Mecklemburgo-Pomerânia Ocidental e impõem à CDU, terceira colocada, seu pior resultado na história no estado. Pleito era visto como termômetro sobre política migratória.

Partidários da AfD comemoram resultado em Mecklemburgo: campanha se centrou em atacar política migratória de Merkel

Partidários da AfD comemoram resultado em Mecklemburgo: campanha se centrou em atacar política migratória de Merkel

O partido União Democrata Cristã (CDU), da chanceler federal Angela Merkel, sofreu um duro revés neste domingo (04/09) nas eleições estaduais de Mecklemburgo-Pomerânia Ocidental, encaradas como um teste para a atual política migratória alemã.

Segundo pesquisa de boca de urna da TV pública ARD, a legenda populista de direita Alternativa para a Alemanha (AfD) conseguiu 21% dos votos para o Parlamento estadual, ficando em segundo lugar e jogando para terceiro, com 19%, o partido de Merkel.

Com 30,5% dos votos, o primeiro lugar ficou com o Partido Social-Democrata (SPD), que governa o estado em coalizão com a CDU há uma década. Juntas, as duas legendas tiveram queda de nove pontos percentuais em relação às últimas eleições, em 2011.

Foi o pior resultado da história do partido de Merkel no estado. E muito se deve à ferrenha campanha feita pela AfD contra a política migratória da chanceler, tentando capitalizar o medo entre muitos alemães da consequência da entrada de mais de 1 milhão de refugiados no país.

Segundo a pesquisa, o partido A Esquerda conseguiu 12,5% dos votos, e o Partido Verde ficou com a margem mínima para entrar no Legislativo regional, de 5%. Confirmado o resultado, CDU e SPD ainda teriam força para se juntar e apontar o governador do estado.

Lançada em 2013 como uma bandeira anti-União Europeia, a AfD ficou perto de entrar no Parlamento alemão naquele ano. Desde então, acirrou seu discurso, cada vez mais antimigração, e assegurou presença nos Legislativos de nove dos 16 estados alemães.

Dentro de duas semanas, será a vez de Berlim ir às urnas. Até as eleições gerais para o Parlamento alemão, em setembro do ano que vem, serão outros três pleitos estaduais. Além disso, em 12 de fevereiro será escolhido o sucessor de Joachim Gauck na Presidência alemã.

RPR/ots

Leia mais