Parlamento venezuelano aprova Lei da Anistia | Notícias sobre a América Latina e as relações bilaterais | DW | 17.02.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

Parlamento venezuelano aprova Lei da Anistia

Maioria dos membros da Assembleia Nacional vota a favor do projeto de lei em primeira instância. Medida visa libertar políticos presos e conta com a desaprovação da bancada chavista e do presidente, Nicolás Maduro.

A Assembleia Nacional da Venezuela aprovou nesta terça-feira (16/02), em primeira instância, a Lei da Anistia e Reconciliação Nacional. A medida visa libertar um grupo de políticos presos e conta de antemão com a desaprovação do presidente Nicolás Maduro.

O projeto de lei recebeu o aval da bancada majoritária, que o submeteu à votação nas últimas duas semanas e saudou a aprovação com gritos de "liberdade, liberdade". A bancada chavista votou contra a proposta, alegando que esta planta uma "insurreição" contra o Estado venezuelano.

"Hoje acontece o primeiro debate sobre uma lei muito importante para o nosso país, uma lei que tem como firme propósito por fim a uma longa era de prisão e perseguição tendo pensamentos distintos como motivo", disse a deputada da oposição Delsa Solórzano, ao iniciar a votação.

A deputada lembrou que um dos que está atrás das grades é o líder opositor Leopoldo López, do partido Vontade Popular, condenado a quase 14 anos de prisão por delitos como incitação à violência durante uma marcha contra o governo em fevereiro de 2014.

Após essa marcha, teve início uma onda de protestos contra o governo de Maduro, que culminou na morte de 43 pessoas. Durante o debate sobre a Lei da Anistia também se recordou que o presidente de Carcas, Antonio Ledezma, o ex-prefeito de San Cristóbal, Daniel Ceballos, e um grupo de estudantes também estão na prisão.

O parlamentar chavista Héctor Rodríguez afirmou que sua bancada não pode aprovar "esta aberração da lei da anistia criminal", que defende "o terrorismo, o narcotráfico e a corrupção". "Não podemos permitir que haja impunidade na Venezuela."

A lei será submetida agora a uma segunda votação no Parlamento. O presidente pode recorrer à Sala Constitucional, órgão do Tribunal Supremo de Justiça (TSJ), que a oposição alega ser controlado pelo governo.

O presidente da Assembleia Nacional, Henry Ramos Allup, indicou que Maduro havia anunciado que não aprovaria uma lei da anistia antes mesmo de o projeto existir. Allup lembrou que outras leis aprovadas pelo Parlamento de maioria opositora já foram vetadas pelo TSJ.

LPF/efe/dpa

Leia mais