1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Parlamento russo autoriza Putin a intervir na Síria

Legisladores russos aprovam por unanimidade realização de ações militares no país árabe. Moscou diz responder a pedido direto de Assad e garante que usará apenas Força Aérea contra "Estado Islâmico".

O Parlamento da Rússia aprovou por unanimidade nesta quarta-feira (30/09) o pedido do presidente Vladimir Putin para enviar tropas à Síria, ainda que o Kremlin afirme que deverá utilizar apenas sua Força Aérea para combater os avanços do "Estado Islâmico" (EI) no país árabe.

A Constituição russa estabelece que o presidente precisa de aprovação parlamentar para que as Forças Armadas russas possam se envolver em conflitos no exterior. A última vez em que tal pedido foi realizado foi antes da anexação da Crimeia, em março de 2014.

O Conselho da Federação, a câmara alta do Parlamento russo, se reuniu a portas fechadas nesta quarta-feira para discutir o pedido de Putin. Sergei Ivanov, o chefe de gabinete da Presidência, afirmou após a discussão que a decisão foi unânime a favor do pedido, que não vai precisar de aprovação em outro órgão legislativo.

Ivanov assegurou que o país não vau enviar tropas à Síria, mas utilizará sua Força Aérea no intuito de "apoiar as forças do governo sírio em sua luta contra o EI", e explicou que a medida veio após um pedido de ajuda direto do presidente sírio, Bashar al-Assad

Segundo Ivanov, a Rússia decidiu apoiar Assad com a intenção de proteger a si própria dos jihadistas: "E não em razão dos objetivos de política externa ou das ambições de que nossos parceiros ocidentais costumam nos acusar", alegou. "Trata-se dos interesses de nossa segurança nacional", ressaltou o chefe de gabinete.

Ele argumentou que a Rússia se preocupa com o número cada vez maior de seus cidadãos que viajam à Síria para aderir ao EI, o que, segundo afirma, justificaria "medidas preventivas" a serem tomadas à distância, em vez de, posteriormente, ter que lidar com o problema em seu próprio território.

Ivanov disse ainda que a diferença entre os ataques aéreos realizados na Síria por outros países, como os EUA, é que eles não agem de acordo com as leis internacionais, ao conttrário da Rússia.

Putin se reuniu na segunda-feira com o presidente americano, Barack Obama

, paralelamente à Assembleia Geral das Nações Unidas, para discutir o aumento da presença militar russa na Síria. Moscou já havia menosprezado as preocupações americanas, alegando que "especialistas militares" estiveram presentes por muitos anos no país para ajudar os sírios a lidar com equipamentos bélicos russos.

RC/ap/dpa

Leia mais